Seguir o O MINHO

Região

“Anima Mea” de Alexandre Conefrey mostra-se na Ala da Frente em Famalicão

Mostra para ver até 18 de maio

em

Fotos: Divulgação

A galeria de arte contemporânea Ala da Frente, de Vila Nova de Famalicão, já habituou o seu público à inovação e à modernidade artística.

O espaço localizado no Palacete Barão da Trovisqueira, no centro da cidade famalicense, inaugura hoje a exposição “Anima Mea” de Alexandre Conefrey.

Os trabalhos do artista lisboeta chegam à Ala da Frente depois de apreciados em espaços culturais de referência, como a Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural de Belém, Fundação de Serralves ou a Andrew Mummery Gallery, em Londres.

Comissariada por António Gonçalves, a exposição explora o confronto do artista com uma cadeia de impossibilidades do mundo interior e exterior, material e espiritual. Composta por 28 desenhos, a mostra remete para um universo da pintura de Brueghel, pintor Flamengo do Séc. XVI.

Segundo António Goncalves, “o uso da linguagem do desenho e a exploração das expressividades do carvão suscitam uma particular atenção para as formas que surgem e se organizam em cada plano da folha de papel. Formas que partem das estruturas da torre e dos moinhos. Alusões, parecenças, revelações, aproximações, são repostas que se propõem nas manchas, nas linhas, nas texturas que Alexandre Conefrey plasma na folha de papel. É partir das quais que somos levados ao universo da simbologia, da presença do fazer histórico, em que cada autor deu por meio da imaginação sentido às formas que nos são familiares, mas nem sempre percetíveis.”

A exposição que vai estar patente até 18 de maio propõe, assim, uma atenção à simplicidade do gesto e às suas potencialidades de expressão e investigação enquanto meio para reter as possibilidades da representação.

Com entrada livre, as portas estão abetas de terça a sexta-feira, das 10:00 às 17:30 e aos fins-de-semana das 14:30 às 17:30.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Alto Minho

Alvarinhos de Monção e Melgaço triunfam nos Óscares do vinho verde

Cinco vinhos alvarinhos de Monção e de Melgaço arrebataram os prémios “Best of 2019”

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Cinco vinhos alvarinhos de Monção e de Melgaço arrebataram os prémios “Best of 2019” do Concurso “Os Melhores Verdes”, que foram entregues esta quinta-feira noite na Sala do Arquivo, na Alfândega do Porto.

A eleição dos melhores vinhos verdes é uma iniciativa anual da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) e esteve a cargo, este ano, de um júri composto por “críticos e provadores de sete países, selecionados nos principais mercados de exportação do vinho verde”, informou o organismo.

Desde 2009 que a CVRVV inclui a categoria “Best Of” no Concurso Melhores Verdes, visando promover um “Top 5” alvo de maior divulgação e promoção internacional, e este ano os distinguidos “são uma vitória unânime da casta Alvarinho da sub-Região de Monção e Melgaço”, uma das nove da Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

Os vinhos “Best Of 2019” são Valados de Melgaço Reserva Alvarinho 2017, Encosta dos Castelos Alvarinho 2018, Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013, Vinha Antiga Escolha Alvarinho 2017 e Portal do Fidalgo Alvarinho 2018.

O júri deste concurso elegeu ainda 12 referências na categoria Ouro, entre 291 amostras a concurso, agrupadas nas categorias Vinhos Verdes Brancos, Rosados, Tintos, de Casta, Colheita igual ou anterior a 2016, Espumantes, Aguardentes e Regional Minho.

Entre os vinhos premiados com o ouro figuram dois “Best Of”, o Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013, na categoria Colheita anterior a 2016, e o Encosta dos Castelos Alvarinho 2018, na da casta Alvarinho.

Os outros premiados com Ouro são Quinta dos Encados Grande Escolha 2018 (Branco), Desfiado Reserva 2018 (Rosado), Quinta da Samoça Vinhão 2018 (Tinto), Ardina Colheita Seleccionada 2018 (Arinto), Quinta de Linhares 2018 (Avesso), Vale do Homem 2018 (Loureiro), Opção Azal 2018 (Azal), Alvarinha (Aguardente), Muralhas de Monção Branco Reserva Bruto Alvarinho 2015 (Espumante) e Quinta de Gomariz Colheita Seleccionada Alvarinho 2018 (Regional Minho).

O prémio “A melhor Vinha 2019”, que reuniram 15 concorrentes, foram para a Quinta da Calça (Esposende), Quinta de Ornellas (Amares) e Solar das Bouças (Amares), o de “Melhor Viticultor do ano” foi entregue a João Tomás (Quinta da Calça) e o de “Vinha e Ambiente” coube à Quinta de Santiago.

O presidente da CVRVV, Manuel Pinheiro, disse à agência Lusa que o triunfo dos alvarinhos na categoria “Best Of” mostra que “é uma casta internacionalmente” reconhecida” e que esses “vinhos estão prontos para a exportação e serão bem recebidos nos mercados externos”.

“A esmagadora maioria dos vinhos verdes exportados são de lote e o alvarinho ainda está ser descoberto como uma grande casta a nível mundial. A Região tem é que agarrar esta oportunidade”, acrescentou, referindo que a nova aposta deve ser “valorizar” o produto” mais do que “crescer”.

Manuel Pinheiro declarou-se ainda “muito satisfeito pelo número recorde” de 291 vinhos concorrentes e pelos prémios atribuídos, pois “o último ano foi difícil e ainda assim conseguiram-se bons vinhos”, mérito, em sua opinião, da “viticultura, que tem sido a alavanca da região”.

Continuar a ler

Braga

Procissão do “Ecce Homo” saiu às ruas em Braga – imagens

FOTOGALERIA

em

Fotos: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A Procissão do Senhor “Ecce Homo”, que se repete, todos os anos, na Quinta-feira Santa, saiu esta noite às ruas, em Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Procissão é organizada, desde os tempos antigos, pela Irmandade da Misericórdia, evocando “o julgamento de Jesus, ao mesmo tempo que celebra a misericórdia por Ele ensinada”.

Segundo é explicado no site da Semana Santa de Braga, “abre o cortejo o exótico grupo dos farricocos com grosseiras vestes de penitência, descalços e encapuçados, de cordas à cinta, como outrora os penitentes públicos, uns empunhando matracas e outros alçando fogaréus (taças com pinhas a arder). Daí chamar-se também «Procissão dos Fogaréus». Integrados na procissão, os fogaréus evocam os guardas que, munidos de archotes, foram, de noite, prender Jesus”.

“A imagem do Senhor “Ecce Homo” (ou “Senhor da cana verde”) representa o Cristo que se declarara rei e que o governador romano pôs a ridículo pondo-lhe na mão um simulacro de ceptro (uma cana verde). Foi assim que Pilatos o apresentou à multidão, dizendo: ― “Eis aí o Homem!” (“Ecce Homo”)”.

A página oficial da Semana Santa de Braga está acessível através do endereço semanasantabraga.com.

Continuar a ler

Guimarães

Posto de combustível em Guimarães assaltado pela quarta vez esta semana

PJ investiga

em

Um posto de abastecimento de combustíveis, na Rodovia de Covas, em Urgezes, Guimarães, foi assaltado, esta quinta-feira, por volta das 18:00 horas.

Segundo conta o Guimarães Digital, que avança a notícia, esta foi a quarta vez, só esta semana, que aquela bomba da Galp foi visitada por o assaltante que, ao que se presume, será o sempre o mesmo.

O suspeito, que poderá ter “entre 17 e 18 anos”, exigiu o dinheiro ao funcionário do posto e colocou-se em fuga pelas traseiras.

A PSP tomou conta da ocorrência, enquanto a PJ continua a investigar.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares