Seguir o O MINHO

Futebol

André Horta foi ver o Benfica na folga

Em Paços de Ferreira

em

Foto: DR

André Horta, jogador do SC Braga, foi apanhado por adeptos enquanto assistia, este domingo, em Paços de Ferreira, ao jogo que opôs a equipa local ao Benfica, seu clube de coração.

Antes do apito inicial, dá conta o jornal A BOLA, o jogador, que ficou no local reservado a adeptos do Benfica, foi abordado por benfiquistas que solicitaram autógrafos e selfies com o novo campeão da Taça da Liga.

Aos 23 anos, Horta era presença regular na equipa de Sá Pinto, mas com Rúben Amorim, nos últimos cinco jogos, apenas efetuou 45 minutos frente ao Tondela (2-1) e os oito minutos finais da segunda ronda da Final Four da Taça da Liga, frente ao Sporting (2-1).

Formado no Benfica, para onde foi jogar com onze anos, alinhou no Vitória de Setúbal e no SC Braga, antes de rumar ao Los Angeles FC, nos Estados Unidos da América.

Regressou esta temporada a Braga, assinando contrato com os arsenalistas.

Anúncio

Futebol

“Somos acusados de jogar bem e não ganhar”

Ivo Vieira

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações após o jogo Desportivo das Aves-Vitória SC (0-2), da 22.ª jornada da I Liga de futebol, disputado hoje no Estádio do CD Aves, na Vila das Aves:

Ivo Vieira (treinador do Vitória SC): “Excetuando o jogo passado com o FC Porto [derrota por 2-1], em que não entrámos tão bem, normalmente o Vitória entra bem, a dominar e a ter mais bola do que os adversários.

Hoje não entrámos bem, também por mérito da pressão do Aves e alguma irregularidade do terreno, que não deu conforto aos nossos atletas para circular a bola por trás. Houve muitas perdas no passe e isso criou-nos dificuldades.

Depois, bloquearam os nossos dois médios de construção e isso fez com que não chegássemos ao último terço com qualidade, tal como é apanágio desta equipa.

A segunda parte foi completamente diferente. Temos de valorizar a segunda vitória fora sem sofrer golos, o que é bom e pode fazer a equipa crescer. Na altura do penálti, que podia alterar o rumo do jogo, crescemos e atacámos mais a baliza adversária.

O adversário criou-nos alguns problemas no jogo direto, com quatro ou cinco homens robustos e possantes na frente, mas também acrescentámos alguma intensidade nos últimos 30 minutos, em que a equipa teve caráter e um bom comportamento.

Somos acusados de jogar bem e não ganhar. Hoje não tivemos um jogo de grande qualidade, a exemplo de tantos outros, mas houve um jogo de sacrifício. Os jogadores trabalharam e lutaram muito e conseguiram este resultado fantástico de forma justa.”

Nuno Manta Santos (treinador do Desportivo das Aves): “Até sofrermos o golo estávamos a fazer um jogo muito bem conseguido. Estávamos bem posicionados e anulámos aquilo em que o Vitória é forte, como a primeira fase de construção.

Na segunda parte, a partir do momento em que sofremos o golo, a equipa foi abaixo. Podíamos ter chegado ao 1-0, mas falhámos o penálti e depois surgiu um grande golo. Ficou difícil a equipa levantar-se e conseguir encostar o Vitória lá atrás.

Para mim, o jogo resume-se à eficácia e há que pensar no próximo. Fizemos um jogo muito competente, muito organizado e na parte final atuámos com algum coração e mais jogo aéreo. Mesmo assim, fomos criando algumas situações, mas o Vitória passou a jogar em contra-ataque e acabou por chegar ao 2-0, que deu mais tranquilidade.

É a segunda vez que falhámos um penálti com hipóteses de fazer o 1-0. Aconteceu no campo do Setúbal [derrota por 1-0] e hoje outra vez. É de salientar a forma como conquistámos esse penálti através dos nossos ataques rápidos. Temos de continuar a trabalhar e os resultados certamente vão aparecer.

Obviamente acredito que temos condições [para garantir a permanência], porque damos respostas todos os fins de semana. Houve um jogo menos conseguido contra o Rio Ave [goleada caseira por 4-0] e assumi que fui o primeiro a errar. Nos outros jogos temos sido muito competentes, bem organizados e com vontade de conquistar pontos”.

Continuar a ler

Futebol

Vitória SC vence nas Aves em jornada contra a xenofobia

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O Vitória SC regressou hoje aos triunfos na I Liga de futebol, ao ganhar em casa do Desportivo das Aves por 2-0, no jogo que inaugurou a 22.ª jornada da prova.

Na Vila das Aves, o avançado brasileiro Davidson (65 minutos) e o médio André André (78) ‘carimbaram’ os festejos dos vimaranenses, já depois de uma grande penalidade desperdiçada pelo anfitrião Welinton Júnior, aos 57.

Depois de duas rondas sem vencer, o Vitória reaproximou-se da luta europeia e subiu ao sétimo posto, com 31 pontos, enquanto o Aves perdeu nova oportunidade para abandonar o último lugar e manteve os 13 pontos, a três da ‘linha de água’.

Antes do apito inicial, árbitros e jogadores assinalaram o início da campanha ‘NÃO’, promovida pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, envergando uma camisola alusiva ao combate à violência, racismo, xenofobia e intolerância, cinco dias após os insultos discriminatórios ao avançado do FC Porto Moussa Marega em Guimarães.

Apesar da superioridade minhota nas bancadas, os avenses surgiram mais pressionantes e destemidos no relvado, aproveitando os espaços concedidos nas imediações da área contrária para assinarem remates de longe por Rúben Macedo, aos seis e oito minutos, e Welinton Júnior, aos nove, que pouco incomodaram Douglas.

Só que o desacerto do Desportivo das Aves em contra-ataque, acompanhado pela lentidão do Vitória na construção apoiada, foram negando maiores desígnios na definição, como mostraram os ‘tiros’ desenquadrados de Welinton e Léo Bonatini à meia hora.

Os anfitriões foram mais capazes durante mais tempo, mas os forasteiros fecharam a etapa inaugural com a melhor oportunidade, num lance em que Marcus Edwards serviu Bonatini, que rematou na passada ao poste direito do estreante Fábio Szymonek.

O ascendente do conjunto de Santo Tirso prosseguiu no reatamento e quase reforçou contornos aos 57, quando Douglas adivinhou um penálti de Welinton Júnior, depois de o videoárbitro ter descortinado uma falta de Pêpê sobre Yagma na área.

O lance injetou uma dose de confiança nos pupilos de Ivo Vieira, que reforçou a presença atacante com as entradas de João Pedro e Davidson, tendo o extremo brasileiro coroado um momento de inspiração individual aos 65 minutos, num pontapé seco de belo efeito.

Empurrada para o último reduto, a formação de Nuno Manta Santos procurou libertar-se das amarras com a junção de Welinton ao recém-entrado Abdoulaye Dialló, mas a estratégia nunca devolveu o pendor ofensivo e facilitou a tarefa vimaranense.

Com 12 minutos restantes, Edwards desequilibrou pelo corredor direito e forçou a estirada de Szymonek, insuficiente para impedir a recarga vitoriosa de André André, que prolongou a invencibilidade minhota nas cinco visitas à Vila das Aves para o campeonato.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio do CD Aves, na Vila das Aves.

Desportivo das Aves – Vitória SC, 0-2.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Davidson, 65 minutos.

0-2, André André, 78.

Equipas:

– Desportivo das Aves: Fábio Szymonek, Jaílson (Dialló, 72), Diakhité, Buatu, Mangas, Estrela, Luiz Fernando (Pedro Delgado, 72), Banjaqui, Yamga, Welinton Júnior e Rúben Macedo (Marius, 82).

(Suplentes: Raphael Aflalo, Pedro Delgado, Dialló, Marius, Reko, Cláudio Falcão e Bruno Morais).

Treinador: Nuno Manta Santos.

– Vitória SC: Douglas, Sacko, Venâncio, Pedro Henrique, Florent, Pêpê, André André, Marcus Edwards, Ola John (João Pedro 58), Bonatini (Poha, 79) e Bruno Duarte (Davidson, 59).

(Suplentes: Miguel Silva, Bondarenko, Mikel Agu, Ouattara, Poha, João Pedro e Davidson).

Treinador: Ivo Vieira.

Árbitro: Rui Costa (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Yamga (41), Pepê (52) e Luiz Fernando (63).

Assistência: 3.818 espetadores.

(notícia atualizada às 23h01)

Continuar a ler

Futebol

Aves-Vitória contra o racismo, violência, xenofobia e intolerância

I Liga

em

Foto: Twitter

Contra o racismo, violência, xenofobioa e intolerância. Foi este o mote que deu o arranque do primeiro jogo da 22.ª jornada da Liga portuguesa de futebol, que opôs Aves ao Vitória SC.

Esta campanha, levada a cabo pela Liga Portugal, decorre durante toda a jornada, tanto na I Liga como na II, e surge como uma reposta aos insultos racistas ao futebolista Moussa Marega, no jogo que opôs o Vitória SC e o FC Porto.

“A primeira mensagem que deixo é que a sociedade portuguesa deve dar uma resposta no combate ao racismo, violência, xenofobia e intolerância. A Liga está desde 2015 na primeira linha deste combate e esta campanha é mais um sinal de intolerância para com estes fenómenos”, disse Pedro Proença, a propósito da campanha.

Continuar a ler

Populares