Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Alvorada marcou arranque da Romaria d’Agonia em Viana

Mais de seis mil pessoas vão desfilar nestes cinco dias de festa

em

Foto: Vítor Costa / O MINHO

A alvorada deu início, na manhã desta quarta-feira, à Romaria d’Agonia, em Viana do Castelo, onde até domingo vão desfilar mais de 6.000 pessoas, entre mordomas e lavradeiras, figurantes em procissões religiosas e no tradicional cortejo histórico-etnográfico, tocadores de concertinas, bombos, bandas de música, grupos folclóricos, cabeçudos e gigantones.

“Desde que começamos a preparação que estávamos a ver as festas deste ano a valerem por três, devido à ausência dos últimos dois anos. E o que já estamos a sentir é um entusiasmo e uma adesão das pessoas ainda maior do que já era habitual no passado, disponíveis para participarem em tudo. É um verdadeiro amor à Romaria”, conta António Cruz, presidente da Comissão de Festas da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia, citado em comunicado enviado a O MINHO.

Foto: Vítor Costa / O MINHO

Foto: Vítor Costa / O MINHO

Foto: Vítor Costa / O MINHO

Foto: Vítor Costa / O MINHO

A festa de 2022, que se realiza no habitual formato, após dois anos de ausência devido à pandemia de covid-19, arranca esta quarta-feira, com um desses momentos, precisamente uma arruada que a partir das 15:00 deverá juntar várias dezenas de tocadores de concertina a percorrerem a cidade, o mesmo acontecendo na tarde de sexta-feira. Na quinta-feira, o Desfile da Mordomia sai à cidade a partir das 16:00, com um recorde de 709 mulheres a participarem, representando a alma vianense através da sua “chieira”, devidamente trajadas e ouradas, prometendo ser um dos grandes destaques da festa de 2022.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Na sexta-feira sai à rua a Procissão Solene em honra de Nossa Senhora d’Agonia, o momento mais religioso da Romaria. Num quadro que junta algumas centenas de figurantes, as imagens de Nossa Senhora dos Mares, Nossa Senhora da Assunção, Nossa Senhora Monserrate e a do Senhor do Aflitos, vindos da igreja de São Domingos, vão ao encontro do andor de Nossa Senhora d’Agonia, que as aguarda no santuário, com milhares igualmente a assistirem.

 

Já na noite de sexta-feira realiza-se o desfile “Vamos para o Festival” desta Romaria, com cerca de um milhar de pessoas, sobretudo de grupos folclóricos, a descerem a avenida principal da cidade. Este desfile noturno, que nos últimos anos se tornou num dos momentos com mais público e entusiasmo nas festas, repete-se na noite de domingo, com o título “Vamos para a Romaria” e mais de meio milhar de integrantes.

“Estamos a falar de desfiles, procissões, cortejos, que juntam pessoas de todas as idades. Há quem participe nestes desfiles há mais de 50 anos ou desde criança, muitos já nem vivem em Viana do Castelo, mas fazem questão de voltar para participarem nestes momentos”, explica António Cruz.

Um desses destaques vive-se no sábado à tarde em que, após a Procissão ao Mar participada por dezenas de embarcações de pesca, os andores da festa regressam pelas cinco ruas da Ribeira de Viana do Castelo, engalanadas desde a noite anterior com os tradicionais tapetes de sal utilizando 34 toneladas de sal. Neste que é o dia da padroeira da festa e dos pescadores, a Senhora d’Agonia, 20 de agosto, vive-se assim um quadro emblemático.

Trata-se de uma devoção antiga dos pescadores à sua padroeira, a quem pedem proteção nas horas de maior aflição e que, neste dia, agradecem e cumprem as suas promessas. Nesta procissão, os homens vestidos com as suas melhores camisas aos quadrados, como é da tradição do mar, carregam aos ombros os andores, cada um com cerca de 600 quilos, até ao cais, sempre ladeados pelas devotas mulheres, num movimento de algumas centenas de pessoas sempre em silêncio.

Na tarde de domingo, último dia da festa, as ruas de Viana do Castelo enchem-se de público, mordomas, lavradeiras, grupos folclóricos, tocadores, bombos, bandas de música, cabeçudos e gigantones, mas também centenas de figurantes de todo o concelho, desta vez para o aguardado Cortejo Histórico-Etnográfico, alusivo em 2022 aos 250 anos da Feira Franca da Romaria e à certificação do Caminho de Santiago Português – Caminho da Costa.

Tal como em anos anteriores, num desfile que a partir das 16:00 leva mais de duas horas a percorrer a cidade, são esperadas acima de 3.000 pessoas a participarem.

EM FOCO

Populares