Seguir o O MINHO

Cávado

Alunos de Esposende consomem em média 126 miligramas de sal em cada sopa escolar

Estudo do ISAVE

em

Foto: O MINHO

Fruto da colaboração institucional mantida com o Município de Esposende, o ISAVE – Instituto Superior de Saúde apresentou no dia 15 de outubro de 2019, no Centro de Educação Ambiental de Esposende (Marinhas), o estudo de avaliação da quantidade de sal nas sopas escolares servidas naquele município, integrado na apresentação do Plano de Sustentabilidade Alimentar – Geração S promovido pela referida autarquia.

No estudo realizado e apresentado pelo João Neves Silva, docente do ISAVE, foram avaliadas as 25 cantinas escolares do Município de Esposende responsáveis pelo fornecimento de refeições escolares aos estudantes do ensino pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico, com idades compreendidas entre os 6 e os 10 anos. Para tal, foram realizadas 3 (três) medições das sopas escolares por local de amostragem, em dias diferentes, de modo aleatório e sem conhecimento prévio por parte das cantinas escolares.

O estudo revelou que as cantinas cumprem as normas de quantidade de sal na sopa recomendadas pela Direção Geral de Educação (DGE) de um valor de sal inferior a 200 mg de sal, apresentando um valor médio de 126 mg de sal nas 25 cantinas escolares analisadas.

Não obstante este facto, foram identificadas variações entre cantinas escolares, tornando-se evidente a distinção entre cantinas escolares com gestão indireta de empresas privadas e cantinas escolares com gestão direta das escolas, sendo que as primeiras apresentam quantidades de sal na sopa inferiores às segundas. Foi especulado que tal se deveria ao modelo de gestão dos dois tipos de cantinas, onde as cozinheiras afetas às cantinas escolares instintivamente colocariam maior quantidade de sal na sopa para realçar o seu sabor, por oposição às empresas privadas onde há um maior controlo na quantidade de sal incorporada, até pela questão económica envolvida (preço da matéria-prima).

É ainda de realçar que, ao longo das 3 medições efetuadas para cada cantina escolar, e particularmente nas cantinas escolares com gestão direta das escolas, se verificou uma diminuição estatisticamente significativa na quantidade de sal usada nas sopas, o que mostra o efeito pedagógico que esta iniciativa teve nas cozinheiras envolvidas.

Rui Lima, nutricionista da DGE e autor do guia “Orientações sobre Ementas e Refeitórios Escolares”, destacou a importância de estudos como os realizados pela parceria ISAVE/Município de Esposende na avaliação da qualidade das ementas servidas em cantinas escolares do país, uma vez que poderão detetar possíveis incumprimentos das cantinas escolares e promover uma alimentação saudável entre a população estudantil. Rita Pinheiro, docente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) e diretora da licenciatura em Engenharia Alimentar da mesma instituição sublinhou que o Município de Esposende tem apostado na promoção de uma alimentação saudável nas escolas e defendeu que é importante reeducar, tanto dentro como fora da escola.

Além do referido estudo, foi também apresentado neste evento o Plano de Sustentabilidade Alimentar do Município de Esposende – Geração S, o qual procura levar às ementas das cantinas escolares produtos locais, nomeadamente hortícolas e pescado, e tenta implementar escolhas alimentares saudáveis e ambientalmente conscientes, com redução do desperdício alimentar.

Rui Lima (DGE) considerou que projetos como o ‘Plano de Sustentabilidade Alimentar do Município de Esposende – Geração S’ permitem avaliar os impactos na saúde e no ambiente das dietas alimentares escolares, já que as mesmas podem ser decididas com recurso a produções locais.
O reaproveitamento de pescado excedente na lota de Esposende em ementas escolares através de um processo industrial de filetagem e métodos saudáveis e inovadores de conservação é um projeto diferenciador do Plano de Sustentabilidade Alimentar de Esposende. Com o envolvimento da Docapesca, Associação de Pescadores de Esposende, Instituto Politécnico de Viana do Castelo e do chefe de cozinha Mário Rodrigues, pretende-se contrariar as reticências da população escolar infantil às ementas à base de peixe nas cantinas.

A vereadora Alexandra Roeger, entende que o constrangimento pode ser ultrapassado com a filetagem do pescado, retirando-lhes as espinhas e confecionando-o de formas mais atrativas. A Conferência Sustentabilidade Alimentar contou ainda com a participação de vários parceiros associados ao projeto e de diversos agentes com responsabilidades nesta matéria, entre eles o ISAVE que esteve representado pela sua presidente, Prof. Dra. Mafalda Duarte, e pelo presidente do Conselho de Direção do ISAVE, Dr. João Luís Nogueira.

O projeto tem quatro linhas orientadoras: Cantinas Escolares Sustentáveis, que fomentem hábitos alimentares saudáveis; ECOalimenta, tendo em vista o combate ao desperdício alimentar, a redução, reutilização, recuperação e reciclagem na área alimentar; AgroKids, que se traduz no desenvolvimento de hortas escolares para cultivo e consumo de produtos locais; e ReEduca, que se traduz em atividades pedagógicas que assegurem a consciencialização para a educação para a sustentabilidade alimentar.

A sessão iniciou-se com a exibição de um filme explicativo do Plano de Sustentabilidade Alimentar – Geração S, onde são realçados os benefícios e mais-valias deste projeto.

No Laboratório de Ideias, sob a moderação da Vice-presidente da Câmara Municipal, Alexandra Roeger, participaram Fernando Ferreira, Diretor ACES Cávado III – Barcelos/Esposende, Rita Pinheiro, do Politécnico de Viana de Castelo, Mafalda Duarte, do ISAVE – Instituto Superior de Saúde, Chefe Mário Rodrigues, Hugo Silva, da Movelife, José Ruivo, da Noocity, Hernani Zão, Andreia Domingues, da SONAE MC, e Helena Cardoso, da DOCAPESCA.
Todos felicitaram o Município pela “ousadia” e pela aposta na sustentabilidade alimentar das escolas, considerando que os ganhos são abrangentes e transversais à sociedade.

Os trabalhos foram encerrados pelo Secretário Executivo da Comunidade Intermunicipal do Cávado, Luís Macedo, que saudou o Município de Esposende por dar o exemplo ao nível da promoção da economia, ao envolver os produtores locais neste projeto, dinamizando a agricultura e a pesca.

Anúncio

Cávado

Antigo quartel da GNR de Esposende transformado em Arquivo Municipal

Investimento de 500 mil euros

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

O antigo quartel da GNR de Esposende vai ser remodelado e transformado em Arquivo Municipal, num investimento de cerca de 500 mil euros, foi hoje anunciado.

Segundo o anúncio do concurso público para a obra, hoje publicado em Diário da República, o prazo de execução será de 300 dias.

“No verão de 2011, teremos o novo arquivo pronto”, disse à Lusa o presidente da Câmara de Esposende, Benjamim Pereira.

O edifício do antigo quartel da GNR é propriedade da União de Freguesias de Esposende, Marinhas e Gandra, com quem o município celebrou um contrato de comodato para avançar com a candidatura da obra a fundos comunitários.

No entanto, e segundo Benjamim Pereira, está a ser preparada uma permuta, ficando a Câmara com a propriedade do antigo quartel e a União de Freguesias com a propriedade da sua sede, que pertence ao município.

Atualmente, o Arquivo Municipal de Esposende está instalado na cave dos Paços do Concelho, havendo ainda documentos espalhados por edifícios arrendados.

“A falta de espaço é manifesta”, referiu o presidente da Câmara.

Segundo Benjamim Pereira, no edifício do antigo do quartel será dada prioridade ao arquivo histórico do concelho, proporcionando boas condições de consulta.

A recuperação do edifício, situado no centro da cidade e devoluto há cerca de uma década, cumpre ainda o propósito de reabilitação urbana.

A intervenção decorrerá no âmbito do Plano de Ação de Regeneração Urbana (PARU) e o investimento será comparticipado em 85% por fundos comunitários.

Continuar a ler

Cávado

Fabricava notas falsas em Esposende para vender na internet

Contafação

em

Foto: Ilustrativa / DR

O Tribunal de Coimbra começa a julgar na segunda-feira o alegado líder de um grupo que se dedicava à contrafação de notas de euro, após uma investigação que levou à apreensão de mais de 20 mil notas por toda a Europa. Inicialmente, as notas eram fabricadas em Fão, no concelho de Esposende.

O arguido, de 34 anos, é acusado de liderar um grupo de quatro pessoas que se dedicava à produção e envio de notas de euro contrafeitas, tendo sido apreendidas e detetadas, entre início de 2017 e agosto de 2019, 24.775 notas de 50 euros e 10 euros criadas por esta organização, refere o Ministério Público, na acusação a que a agência Lusa teve acesso.

Os restantes quatro arguidos estão a ser julgados noutro processo, que começou no dia 18, também no Tribunal de Coimbra, e que conta já com leitura de sentença marcada para 15 de junho, às 13:30.

O alegado líder do grupo, que está em prisão preventiva, está a ser julgado num processo separado por ter requerido tribunal de júri, estando os restantes a ser julgados por um coletivo de juízes.

De acordo com a acusação, o grupo dedicava-se à contrafação de notas de euro e à sua venda na ‘darknet’, enviando para destinos na Europa, como Montenegro, Irlanda, Alemanha, Inglaterra, França, Áustria, Luxemburgo, Bélgica ou República Checa, sendo as encomendas pagas em ‘bitcoin’ (criptomoeda).

O grupo ter-se-á formado nos finais de 2016, sendo constituído pelo arguido, a companheira que teve entre 2016 e 2018, e os pais desta, aos quais se juntou um outro homem em 2019.

Segundo o Ministério Público, o líder do grupo tratava de publicitar a venda das notas na Internet (vendia a dez euros cada nota de 50), orientando depois os restantes membros para tratar de produzir as quantidades pretendidas e enviar as notas, que ao início eram fabricadas na residência da sua companheira e dos seus pais, em Fão, Esposende, bem como num anexo de uma casa que estes tinham em Valadares, Vila Nova de Gaia.

No início de 2018, o líder do grupo mudou-se para a Colômbia, mas manteve a atividade do grupo, contactando com a ex-companheira através de plataformas como o Signal e o Whatsapp.

Em 2019, o grupo passou a produzir as notas no concelho de Cantanhede, altura em que se juntou mais um elemento à organização.

O Ministério Público (MP) afirma que as notas começaram a ser identificadas logo em janeiro de 2017, a circular em Montenegro e na Irlanda, sendo depois detetadas ainda nesse ano também em Portugal, nas cidades do Porto e de Leiria.

Em junho de 2019, foram apreendidas várias encomendas com diversos destinos europeus, inclusive uma com 605 notas contrafeitas de 50 euros, inseridas dentro de uma câmara de vigilância, que tinham como destino a Inglaterra.

Nessa altura, nota o MP, a atividade estava a expandir-se ao ponto de o grupo estar à procura de “um serviço de estafetas para efetuar o envio pelos correios”, altura em que a operação da PJ pôs termo à sua atividade.

Para além das 24.775 notas de 50 e 10 euros detetadas entre 2017 e agosto de 2019, foram ainda apreendidas 287 notas de 50 euros e 87 notas de 10 euros nas buscas realizadas.

O líder do grupo, tal como os restantes arguidos, é acusado de um crime de contrafação de moeda e um crime de passagem de moeda falsa.

Continuar a ler

Barcelos

Feira de Barcelos reabre quinta-feira com todos os feirantes e no mesmo local

Covid-19

em

Foto: CMB / Arquivo

A feira de Barcelos reabre totalmente já na próxima quinta-feira, após luz verde das autoridades de saúde, anunciou hoje o presidente da Câmara.

Em videoconferência de imprensa, Miguel Costa Gomes adiantou que o parecer positivo à reabertura a 100% da feira foi dado na passada sexta-feira.

Como O MINHO noticiou, o regresso da feira com todos os setores a funcionar dependia apenas da autorização da DGS, a qual assegura que há condições para adotar todas as medidas de contenção da propagação da covid-19.

Recorde-se que a feira de Barcelos, uma das maiores do país, reabriu no dia 7 de maio, apenas para o setor alimentar, que engloba 250 comerciantes e produtores agrícolas locais.

Feirantes exigem reabertura total da feira de Barcelos

A dificuldade em reabrir na totalidade, salientou o presidente da Câmara, era o realojamento de mais cerca de 430 feirantes.

No entanto, o Município conseguiu chegar a uma solução em que o espaço da feira será o mesmo de sempre, embora alargado na zona junto à esquadra da PSD e Jardim das Barrocas, o que vai ao encontro do pedido pelos feirantes.

No dia 18 deste mês, um grupo de feirantes manifestou-se em frente à Câmara de Barcelos, exigindo o regresso de todos os setores e que e a feira se mantivesse no Campo da República.

Dois dias depois, representantes dos feirantes foram recebidos pela vereadora com o pelouro das Feiras e Mercados, Anabela Real, e as partes chegaram a um entendimento que, agora, tem luz verde das autoridades de saúde.

Continuar a ler

Populares