Seguir o O MINHO

Barcelos

Alunos de escola degradada em Barcelos recusam usar casas de banho

EB1/JI de Pousa é frequentada por 40 crianças no jardim-de-infância e 80 no 1.º ciclo

em

Foto: MESA

Alguns alunos da Escola EB1/JI de Pousa, em Barcelos, recusam-se a usar as casas de banho da escola, devido ao “estado de deterioração tão elevado”.

A situação é denunciada num comunicado enviado a O MINHO pelo Movimento Escolas Sem Amianto (MESA), que vai juntar-se à manifestação que a comunidade educativa daquele estabelecimento de ensino tem marcada para a próxima quarta-feira, 29 de janeiro, a partir das 07:30 da manhã, e em que serão reivindicadas obras de requalificação urgentes, incluindo a remoção de amianto.

Foto: MESA

A EB1/JI de Pousa, segundo é apontado naquela nota, é constituída por edifícios com 40 e 50 anos, extremamente degradados, o que obriga as crianças a levar mantas para a escola para se protegerem do frio, conforme veio a público na semana passada.

“Embora tenha obras prometidas há mais de 15 anos, o projeto teima em não sair do papel, e a autarquia defende que o seu avanço está dependente da disponibilidade financeira do município”, fazem notar.

E acrescentam: “Os pais queixam-se da cobertura em amianto do edifício que acolhe o jardim-de-infância, que está tão degradada que é necessário colocar baldes por baixo para impedir que o piso alague”.

Mau estado de escola em Barcelos força crianças a levar mantas para o frio

De acordo com a associação de pais, a caixilharia, em madeira, está podre, permitindo correntes de ar que põem em causa a saúde das crianças, que, muitas vezes, ficam em casa doentes. As casas de banho estão num estado de deterioração tão elevado que muitas crianças se recusam a utilizá-las.

“É uma situação inaceitável o que se passa nesta escola, sobretudo por se tratar de materiais contendo amianto que há muito chegaram ao final do seu ciclo de vida”, avança André Julião, coordenador do Movimento Escolas Sem Amianto (MESA).

“Mais inaceitável ainda é haver um projeto pronto, orçado em 1,2 milhões de euros, que não avança por alegada indisponibilidade financeira da autarquia. Esta situação num município que tem um orçamento anual superior a 70 milhões de euros e num país que se prepara para aprovar um orçamento com superávite é surreal e totalmente incompreensível”, aponta o responsável do MESA.

“Se existe verba, quer no Governo, quer nas autarquias, é preciso agir já, deixando de lado eventuais brilharetes financeiros e dando prioridade, de uma vez por todas, à requalificação das escolas e à remoção de materiais com amianto, cumprindo a lei 2/2011 e todas as diretivas comunitárias que Portugal tem vindo a ignorar”, defende ainda André Julião.

A EB1/JI de Pousa é frequentada por 40 crianças no jardim-de-infância e 80 no 1.º ciclo.

Populares