Seguir o O MINHO

Alto Minho

Alto Minho e Galiza candidatam pesqueiras do rio Minho a património imaterial

Investimento de cerca de 100 mil euros

em

Foto: DR / Arquivo

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho disse este sábado à Lusa que os custos da candidatura das pesqueiras do rio Minho a património imaterial é partilhado pelo Norte de Portugal e pela Galiza, em Espanha.


Segundo o AECT Rio Minho, em Portugal, a CIM do Alto Minho suportará cerca de 50 mil euros, e a província de Pontevedra, em Espanha, 45 mil euros

A candidatura das pesqueiras a património imaterial integra-se na Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho Transfronteiriço”_Smart_Miño”, cofinanciado pelo Programa Interreg V A (POCTEP) e pretende preservar aquele que é considerado um “tesouro vivo” da pesca artesanal dos dois países.

Em Portugal, o processo “As Artes da Pesca nas Pesqueiras do Rio Minho” será registado, em fevereiro, no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial”, procedimento que será seguido por Espanha com a inscrição nas Listas Nacionais de Património Cultural.

As pesqueiras, estruturas antigas em pedra, são descritas como “habilidosos sistemas de muros construídos a partir das margens, que se assumem como barreiras à passagem do peixe, que se via assim obrigado a fugir pelas pequenas aberturas através das quais, coagido pela força da corrente das águas, acabando por ser apanhado em engenhosas armadilhas”.

“O AECT Rio Minho pretende reforçar a consciência de que o património associado às pesqueiras é um dos mais ricos representantes da herança patrimonial que relaciona a cultura material à cultura imaterial e natural do rio Minho”, sustenta aquele organismo numa nota enviada à agência Lusa.

Constituído em fevereiro de 2018 e com sede em Valença, o AECT Rio Minho abrange um total de 26 concelhos: os 10 municípios do distrito de Viana do Castelo que compõe a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra.

Em Portugal, a intenção de candidatura das pesqueiras a património imaterial partiu da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho. A estrutura formada pelos 10z concelhos do distrito de Viana do Castelo lidera o processo que integra ainda o Aquamuseu do Rio Minho, em Vila Nova de Cerveira. Em Espanha, é a Província de Pontevedra que conduz o “processo similar” de classificação.

“As construções, umas milenares e outras centenárias, pressupõem um saber e compreensão da bacia do rio, das suas características biológicas, eco ambientais, físicas, orográficas, e as artes de pesca, testemunhas do conhecimento e vida das comunidades ribeirinhas e do seu sentimento de pertença a uma unidade cultural e identitária”, refere o organismo.

A associação transfronteiriça defende que “as práticas e saberes associados aos artefactos usados e técnicas de pesca demonstram um património imaterial complexo, resultante da interligação entre meio físico, saberes tradicionais nas artes de fazer e formas de apropriação dos recursos”.

“O AECT Rio Minho espera uma valorização deste património na comunidade nacional e internacional. Com a sua inventariação rigorosa pretende-se um conhecimento preciso dos riscos sociais, administrativos e ambientais, e das condições de manutenção deste património, da salvaguarda dos valores excecionais que revela, que permita a autoestima dos pescadores locais e das comunidades ribeirinhas, e que contribua para um desenvolvimento endógeno e sustentável”, sustenta.

Além do estudo que vai suportar a classificação, o projeto inclui uma exposição intitulada “Rio Minho – Memórias Transfronteiriças”, a inaugurar em março.

A mostra irá percorrer os municípios transfronteiriços do rio Minho para “espelhar quer as suas águas, quer as margens e quem nelas vive, as suas técnicas, a música, a gastronomia, a língua e os jogos”.

A exposição incluirá um mapa interativo, com a localização das pesqueiras, e permitirá aos visitantes conhecerem “as margens do rio, com quiosques multimédia, filmes e painéis interpretativos de “uma cultura plena de tesouros vivos, de pessoas com um profundo conhecimento e prática local”.

Na exposição, “o visitante poderá conhecer uma armadilha de pesca à lampreia e as espécies aquáticas mais icónicas” daquele curso internacional de água.

Anúncio

Alto Minho

Casal agredido na rua em Paredes de Coura por causa de um cão sem trela

Agressões

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem de 55 anos e uma mulher de 44 sofreram ferimentos na sequência de agressões na via pública, esta noite de quarta-feira, em Paredes de Coura.

O casal terá sido agredido depois de tentar fotografar dois homens, irmãos, que seguiam com um cão sem trela, dá conta a Rádio Vale do Minho.

A contenda aconteceu na freguesia de Bico, cerca das 19:30, quando o casal foi buscar água a um monte. “Passaram dois indivíduos, que são irmãos, com um cão sem a respetiva trela”, disse a GNR à mesma fonte.

“A senhora, começou então a fotografar os indivíduos e o respetivo animal (…). Os dois indivíduos não gostaram de ser fotografados. Esperaram pelo casal na base do monte e foi então que tudo aconteceu”, disse a autoridade.

Pelo menos um dos agressores já estará identificado pela polícia.

O homem agredido foi transportado para os serviços de oftalmologia do Hospital de Braga com “bastantes lesões na face”, disse fonte dos bombeiros. A mulher recusou transporte hospitalar.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Padres, bispos e cardeais de todo o país no último adeus a D. Anacleto Oliveira

Bispo de Viana

em

Foto: Diocese Leiria/Fátima

No dia 23 de setembro, a diocese de Leiria-Fátima despediu-se do bispo D. Anacleto Oliveira, natural da paróquia das Cortes, onde foi a sepultar. D. António Marto presidiu à celebração da missa exequial que teve início às 15:00 e que contou com a presença de muitos familiares e amigos, dentre os quais, muitos bispos e sacerdotes de todo o país, incluindo o cardeal-patriarca, D. Manuel Clemente.

Durante a homilia referiu a sua amizade particular com o bispo falecido, natural da diocese de Leiria-Fátima. Muitos foram os que quiseram dizer o seu último adeus, sendo que as limitações impostas pela pandemia impediram que a catedral de Leiria pudesse acolher mais fiéis.

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

As palavras do bispo da Diocese, foram expressão da amizade que o uniu ao prelado falecido. Começou por referir que “há pouco mais de um mês tive a graça de celebrar com D. Anacleto Oliveira, na paróquia das Cortes, o jubileu dos 50 anos da sua ordenação sacerdotal, recebida aqui na Sé de Leiria por imposição das mãos de D. João Pereira Venâncio”.

Continuou, afirmando que “hoje, é com profunda tristeza que, juntamente convosco, me despeço dele nesta mesma Sé, pelo seu falecimento tão inesperado”.

Para o bispo diocesano, “quando nos despedimos de um pastor da Igreja, na hora final, é verdadeiramente justo e salutar que façamos memória agradecida da sua dedicação e entrega a Deus e ao seu povo com zelo alegria e espírito de sacrifício”.

D. António Marto começou por fazer referência à amizade que os unia, “encontrando nele um bom amigo e companheiro, sempre bem disposto e disponível, sereno e sábio”.

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Depois, aludiu à participação enquanto presbítero de D. Anacleto na edificação da Igreja diocesana, “particularmente na realização do sínodo diocesano, nos documentos e orientações pastorais aí aprovados, como também em diversas paróquias, movimentos e no santuário de Fátima”.

Como seria natural, não esqueceu também a formação académia do falecido. “A sua especialização bíblica, culminada no doutoramento, proporcionou-lhe ser um grande, reconhecido e apreciado biblista entre nós e, sobretudo, um apaixonado apóstolo da Palavra de Deus”.

Finalmente, salientou ainda o estilo de bispo de D. Anacleto, “a figura de um bispo pai e pastor como pede o Papa Francisco, exemplo e ao jeito do santo bispo frei Bartolomeu dos Mártires, em cuja canonização D. Anacleto tanto se empenhou”.

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

Foto: Diocese Leiria/Fátima

“Cultivava a pastoral da proximidade e do encontro, do trato simples e próximo, uma relação afetuosa, capaz de partilhar as alegrias e as dores do seu povo”, referiu, acrescentado ser “a imagem de um bispo em saída por se saber a imagem de uma Igreja em saída, ao encontro de todos, particularmente dos mais frágeis e dos mais sós, das crianças e idosos, com quem D. Anacleto tinha tanto gosto em encontrar-se e conversar familiarmente”.

Era por esta maneira de ser e de estar que “ele exalava o perfume do pastor”.

“Quem convivia de perto com D. Anacleto, dava-se conte de que era um homem de fé, enamorado do encontro com Jesus Cristo ressuscitado e vivo; n’Ele punha a sua esperança e na sua palavra”.

Após a celebração, D. Anacleto Oliveira foi sepultado no cemitério das Cortes, sua terra natal.

(Texto de Diocese Leiria/Fátima)

Continuar a ler

Alto Minho

Festival de teclados da Eurocidade Valença-Tui de 02 a 11 de outubro

Concertos presenciais e digitais

em

Foto: Divulgação / IKFEM - International Keyboard Festival & Masterclasse

Já é conhecida a programação completa da 8.ª edição do IKFEM – International Keyboard Festival & Masterclasse que se realiza na Eurocidade Valença-Tui de 2 a 11 de Outubro, anunciou hoje a organização.

À soprano Ainhoa Arteta, que partilha o palco com o pianista Javier Carmena, junta-se agora Carlos Núñez que vai estrear um espectáculo com Pancho Álvarez, Daniel Pereira e o trio português Ensemble Med, na Catedral de Tui.
Cantigas sacras galego-portuguesas a partir da gaita-de-foles de Carlos Núñez que regressa, assim, a Tui, terra natal do seu mestre, Antón Corral.

A representar Portugal e a música tradicional vão estar também o Quarteto Contratempus, no Teatro Municipal de Tui, com o espectáculo “Variações a partir de um coração”. O Auditório do Centro de Inovação e Logística de Valença vai receber o Trio Casperveck, liderado pelo pianista Brais González, que vai musicar ao vivo o filme mudo de Buster Keaton, “O Marinheiro de Água Doce”. Por sua vez, a Igreja de Santo Domingo, em Tui, acolhe uma viagem pela música barroca com a dupla Eutherpe, que junta o violiono de Ângela Neto Domingues com o cravo de Erea Blanco Balvís.

Aos concertos presenciais juntam-se os digitais numa edição adaptada à nova realidade imposta pela pandemia da covid-19.

Mantendo o carácter transfronteiriço, o IKFEM convidou os músicos portugueses e espanhóis a apresentarem-se no canal online do festival. Com o intuito de sensibilizar o público para a realidade do sector e apoiar o regresso à actividade cultural da euroregião, o IKFEM Digital foi criado em parceria com a Afundación, obra social do ABANCA, com o objectivo de dar oportunidade aos músicos profissionais, de qualquer estilo, de partilhar o seu trabalho e a sua história na luta contra o coronavírus. Para participar, os interessados devem gravar um vídeo com 10 minutos de duração máxima, onde contem a sua história e interpretem um tema. Os vídeos dever ser submetidos em www.ikfem.com até 27 de Setembro. Os solistas ou grupos seleccionados terão a oportunidade de apresentar um concerto de 60 minutos no IKFEM, via streaming no canal Afundación TV, e recebem um cachet de 500 euros.

Os cinco projectos escolhidos apresentam-se via streaming dias 3, 5, 6, 8 e 9 de Outubro.

Continuar a ler

Populares