Seguir o O MINHO

Região

Almoçar por 3,50 euros sem sair da empresa

Serviço inovador já chega a 80 empresas de Barcelos, Esposende, Guimarães e Braga.

em

Kit Refeição. Foto: Divulgação

“Almoçar na empresa nunca foi tão fácil. Levamos a refeição à empresa e recolhemos tudo no fim”. É esta a proposta feita pela empresa Catering Vilas Boas, com base em Manhente, entre Barcelos e Braga, com rotas que se estendem por estes dois concelhos e por Guimarães, Esposende e Maia, no distrito do Porto.

O processo é simples: faz a encomenda, levam-lhe a refeição à empresa e recolhem tudo no fim. “A única preocupação? Desfrutar da refeição”, dizem.

Transporte de comida. Foto: Divulgação

O proprietário da empresa e impulsionador deste conceito é Ricardo Vilas Boas que assume que “o objetivo é oferecer uma solução diferente, prática e económica para a hora de almoço, sem esquecer a qualidade da comida”. Essa é, aliás, uma das grandes vantagens deste conceito, para o próprio – a relação qualidade-preço.

‘Flyer’da Ricardo Vilas Boas Catering. Foto: Divulgação

A refeição entregue é constituída por prato, sopa, pão, bebida, salada e sobremesa, e é confeccionada no próprio dia e embalada em caixas térmicas (Kits Refeição, na imagem) para que a temperatura se mantenha por aproximadamente três horas. Por dia, são quatro os pratos à disposição: carne, peixe, dieta e vegetariano.

Alguns clientes do ‘Kit Refeição’. Foto: Divulgação

Atualmente, a empresa já chega a mais de 80 empresas, mas ainda quer chegar a mais – e mais longe – pelo que alargar o número de rotas é um objetivo em mente.

“Pretendemos crescer nas cidades onde já efetuamos entregas e alargar as rotas às grandes cidades, onde sabemos que o núcleo de empresas é muito diversificado”, refere Ricardo Vilas Boas.

A ideia de levar comida às empresas surgiu numa viagem à Alemanha.

“Reparei que muitas empresas fazem este tipo de serviço”, confidencia o empreendedor, acrescentando que, “automaticamente pensei: tenho que levar isto para Portugal”. E foi assim que o Catering Vilas Boas trouxe para o nosso país este conceito inovador, prático e económico que já está a revolucionar a hora da refeição nas empresas.

Tome Nota

[/video]

Vídeo: Divulgação

Empresa: Catering Vilas Boas
Rua Monte da Gandra
Nº410, Manhente – Barcelos

E-mail: [email protected]

Telefone: 253 844 222
Telemóvel: 961 344 002

Ementa/ Site: ricardovilasboas.pt/kit-refeicao

No Facebook: @Ricardo Vilas Boas Catering

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Prisão preventiva para os dois detidos por alegado homicídio de jovem em Viana

em

Foto: O MINHO

O Tribunal de Viana do Castelo decretou hoje prisão preventiva para dois homens detidos pelo alegado homicídio de um jovem de 22 anos, ocorrido na segunda-feira, em Areosa, disse à Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

De acordo com aquela fonte da diretoria de Braga, “um dos arguidos poderá passar a prisão domiciliária assim que estiverem reunidas as condições necessária à aplicação dessa medida”.

Os dois homens, chegaram ao tribunal judicial de Viana do Castelo pouco antes das 11:00, vindos das instalações da PJ de Braga, para serem presentes a primeiro interrogatório judicial.

A fonte PJ especificou que “os dois homens, com idades entre os 27 e os 33 anos foram detidos na madrugada de quarta-feira”, sendo que no decurso da investigação foram “identificadas duas mulheres que seguiam na mesma viatura, com os dois suspeitos, e que foi intercetada pela GNR, na segunda-feira à noite, após o crime, na freguesia de Campos, no concelho vizinho de Vila Nova de Cerveira.

O jovem de 22 anos foi esfaqueado nas costas, na segunda-feira, cerca das 18:09, na travessa do Pico, em Areosa. Ainda foi transportado ao hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, em estado grave, acabando por morrer naquela unidade hospitalar.

Na noite de segunda-feira, a GNR de Viana do Castelo informou ter identificado em Campos, no concelho de Vila Nova de Cerveira, dois homens, presumíveis autores do homicídio do jovem, pescador profissão, pai de duas crianças.

Na altura, fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo explicou à Lusa que “aquela diligência foi realizada a pedido da PSP local, primeira força policial a tomar conta da ocorrência, com base em testemunhos recolhidos no local que referiam a presença de uma viatura que abandonou aquela zona após o crime”.

A fonte da GNR referiu que a “viatura foi intercetada na freguesia de Campos, em Vila Nova de Cerveira, tendo sido identificados dois ocupantes”.

O alerta para uma agressão com arma branca foi dado cerca das 18:09. A PJ de Braga foi chamada a investigar o caso, cerca das 19:10.

O funeral do jovem pescador realizou-se na quarta-feira, no cemitério municipal de Viana do Castelo.

Continuar a ler

Póvoa de Lanhoso

Parada de Natal para apoiar comércio tradicional em Póvoa de Lanhoso

“Póvoa de Natal 2018”.

em

Paços do Concelho de Póvoa de Lanhoso. Foto: DR

A Câmara de Póvoa de Lanhoso promove no domingo uma “Parada de Natal”, iniciativa que visa apoiar o comércio local e prevê contar com a participação de pessoas “a pé, de bicicleta ou em veículos motorizados”.

“Póvoa de Natal 2018”. Foto: Divulgação

Em comunicado, a Câmara refere que esta iniciativa conta com a colaboração de diversas entidades desportivas locais e que “qualquer pessoa pode participar” na parada, estando a concentrada marcada para as 11:00, na praça Eng. Armando Rodrigues.

Para além desta iniciativa, o “Póvoa de Natal 2018” conta também, sábado e domingo, com o “Abraço ao Pai Natal”, com o “Presépio Vivo” e com animação de rua e participação da academia de música Gold’Art.

O programa de atividades de Natal conta ainda com concertos e casas temáticas para visitar.

Continuar a ler

Braga

Confiança: “Câmara de Braga deve falar com cidadãos, Junta de S. Victor, deputados e governo”

Plataforma Salvar a Fábrica Confiança reuniu-se, no Porto, com a Secretária de Estado da Cultura.

em

Ângela Ferreira, Secretária de Estado da Cultura. Foto: DR

A Plataforma Salvar a Fábrica Confiança reuniu-se esta quarta-feira, no Porto, com a Secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, com a Directora-Geral do Património Cultural, Paula Silva e com o Director Regional da Cultura Norte, António Ponte.

O encontro – diz a Plataforma em comunicado – “serviu para pôr o Governo a par das várias iniciativas levadas a cabo por diferentes movimentos de cidadania que defendem que a Fábrica Confiança continue na esfera municipal e que seja cumprido o desígnio da expropriação, realizada em 2012, para que seja transformado num espaço cultural aberto à população”.

Maria Manuel Oliveira, membro da plataforma, deseja que agora “se abra um novo canal de comunicação entre a cidade e a Câmara Municipal” e que se “envolva a população e as associações para se discutir um programa futuro para a Confiança tendo em vista a sua utilização como espaço multicultural”.

Lembrou ainda o potencial e exemplos de utilização cultural de estruturas industriais, mesmo em fase anterior à sua reabilitação: “na Confiança seria muito interessante instalar-se de imediato um laboratório da memória colectiva”.

E acrescenta Cláudia Sil, membro da Plataforma Salvar a Fábrica Confiança: “Foram os cidadãos que conseguiram suspender o processo de alienação e que levaram ao início do procedimento de classificação do edifício da Confiança por parte do Ministério da Cultura. Nestes últimos meses temos alertado para questões que a Câmara de Braga teimava em ignorar, como o valor histórico e patrimonial do edifício ou a via romana XVII que atravessa o perímetro da Fábrica”.

Continuar a ler

Populares