Seguir o O MINHO

Alto Minho

Albufeira do Alto Lindoso cada vez mais seca. EDP diz estar “atenta”

Barragem do rio Lima encontra-se a ‘vermelho’ na lista da APA

em

Foto: Maria João Lemos Morgado (via Meteo Trás-os-Montes)

A Albufeira do Alto Lindoso, entre Ponte da Barca e Lóbios (Galiza), está com os níveis ainda mais baixos do que em outubro, mês em que a antiga aldeia de Aceredo emergiu face à estiagem.

De acordo com o relatório da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), relativo ao armazenamento na Bacia Lima, que compreende as albufeiras de Alto Lindoso e de Touvedo, os níveis na primeira albufeira desceram cerca de 15% entre outubro do ano passado e 17 de janeiro deste ano (de 31,2 para 16,4).

Ainda segundo o relatório da APA, sobre a disponibilidade hídrica das albufeiras em Portugal, esta barragem está já no ‘vermelho’ – com 16,4% de água na principal (quando a média para esta altura do ano é de 63,4%). Já a albufeira a jusante, de Touvedo, regista uma afluência de água de 80% (menos 10 em relação a 10 de janeiro).

Dados relativos a 17 de janeiro. Fonte: APA

Disponibilidade hídrica das barragens de Portugal a 17 de janeiro de 2022. Fonte: APA

Recorde-se que os baixos níveis na principal albufeira da estação permitem ver a antiga ponte sobre o rio Cabril, em Ponte da Barca, que servia para atravessar o curso de água que nasce no alto da Serra Amarela e desagua naquela albufeira. Do outro lado da fronteira é possível ver a antiga aldeia e a sua antiga ponte, edifícios habitualmente submersos durante todo o ano. E se em outubro do ano passado já se vislumbrava este cenário, agora é possível ver ainda mais daquilo que esteve submerso durante largos anos.

Foto: Maria João Lemos Morgado (via Meteo Trás-os-Montes)

É possível verificar no mapa relativo ao armazenamento das albufeiras a nível nacional que a Bacia Lima é a segunda do país com menor percentagem de água armazenada nesta altura do ano, à semelhança do que aconteceu em outubro.

Sem sinais de chuva à vista até final do mês de janeiro, e com os modelos meteorológicos europeus a não mostrarem sinais de que a mesma regresse já em fevereiro, a população mostra-se preocupada com a situação, pois demonstra sinais de seca. Contudo, a O MINHO, a EDP Produção, responsável pela gestão das barragens, assegura estar atenta e que, para já, o nível da água mantém-se acima do indicador de risco.

Foto: Maria João Lemos Morgado (via Meteo Trás-os-Montes)

Tal como referido em outubro, o reduzido armazenamento da albufeira do Alto Lindoso é o resultado da normal gestão efetuada pela EDP Produção em que se procede a uma descida gradual de modo a haver encaixe para as afluências que tipicamente se verificam no Inverno”, voltou a referir a EDP, questionada por O MINHO.

Contudo, a empresa salienta que “Portugal tem registado desde o fim do ano passado e início deste ano um período anormalmente seco, o que se tem traduzido em afluências reduzidas à albufeira”.

Foto: Maria João Lemos Morgado (via Meteo Trás-os-Montes)

“Para além do período seco que estamos a viver, as maiores solicitações de consumo têm resultado num aumento da produção hidroelétrica”, esclarece.

Apesar dos níveis baixos, a EDP diz que “as albufeiras têm estado sempre acima dos níveis mínimos de exploração definidos nos contratos de concessão e que são monitorizados em permanência”, refere a mesma fonte.

A energética diz ainda estar “atenta à evolução dos níveis de todas as albufeiras que lhe estão concessionadas” e afirma que “tomará as medidas necessárias para que os usos prioritários da água sejam assegurados”.

Populares