Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Aí está o cartaz da Romaria d’Agonia 2022

Viana do Castelo

em

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foi hoje apresentado o cartaz promocional da Romaria d’Agonia, edição 2022. De dezenas de trabalhos a concurso, foi escolhido o cartaz do designer Renan Morgado, que vive em Monção, com a mordoma Maria João Lima, de Geraz do Lima, Viana do Castelo.

Para Maria João, bordadeira de 25 anos, desfilar trajada na Romaria d’Agonia é um hábito desde os seus dois anos, mas em 2022 a responsabilidade será diferente ao chegar a mordoma do cartaz da festa, com a “esperança” do verde do traje das Terras de Geraz do Lima, o que acontece pela primeira vez em mais de meio século.

“Será para todos um ano muito emotivo e estou muito feliz por ser a mordoma que vai ‘representar’ a esperança do futuro. E ainda para mais poder ser a cara de um cartaz que eu amei, que está repleto de esperança no presente e no futuro, para Viana do Castelo e para todo o mundo”, explicou Maria João Afonso Lima, a mordoma do cartaz oficial da Romaria da Senhora d’Agonia de 2022, da autoria do designer gráfico Renan Morgado, de origem brasileira e a viver em Monção, vencedor do concurso publico deste ano.

Foto: Romaria d’Agonia

Marcado pelos tons verdes do traje típico das Terras de Geraz do Lima, este é o 110.º cartaz ilustrado da Romaria e vai anunciar em todo o mundo uma festa que após dois anos de ausência, devido à pandemia de covid-19, regressa às ruas de Viana do Castelo.

“Ser a mordoma do cartaz no ano em que voltamos à normalidade e que a nossa Romaria regressa com a sua grandiosidade, é um orgulho e uma responsabilidade enorme. Será o ano que todos esperamos desde 2019, sinto-me muito orgulhosa por ter esta oportunidade única, e o peso da responsabilidade que é representar o amor que tanta gente tem a esta festa e a fé da Ribeira”, confessou ainda Maria João, bordadeira de profissão e a residir em Moreira de Geraz do Lima, Viana do Castelo.

Maria João e Renan durante a cerimónia de apresentação do cartaz

A notícia da escolha do cartaz a que dá rosto foi, como se esperava, um momento de emoção, como recordou: “Chorei, ri, pensei que podia não ser verdade. Foi uma montanha de emoções. A primeira reação foi de muita alegria, mas ainda não acreditava que era verdade, tudo parecia um sonho”.

Admite que ter alcançado “um sonho que muita gente tem”, daí o “orgulho” que assume, também pelo apoio recebido, mas sublinha a importância de preparar o futuro “para que as gerações vindouras não se esqueçam da importância das tradições”, como de resto é o seu caso.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Folclore faz parte da minha vida”

Desfilou na Romaria d’Agonia pela primeira vez com dois anos, quando entrou também “para o mundo do folclore” e retém sobretudo as imagens e emoções do desfile noturno, pela iluminada avenida principal de Viana do Castelo.

“Desde então, tanto o folclore, como a nossa Romaria, fazem parte da minha vida”, admitiu.

Dá o rosto ao cartaz de 2022 envergando um traje verde de lavradeira das Terras de Geraz do Lima, incluindo um colete que pertenceu à avó, que o produziu, passando depois para a filha e, agora, para a neta, Maria João.

“O meu traje é tão bonito! Gosto muito de o envergar. A sua cor está relacionada com a visita da Rainha D. Maria II a Viana do Castelo, em 1852. Neste ano ela deslocou-se também a Geraz do Lima, pois um dos seus ministros possuía aí uma casa brasonada. As raparigas da aldeia receberam a Rainha com um traje verde, sendo o verde a cor da Casa de Bragança. E assim começa a tradição deste traje nesta zona”, explicou.

Ao peito, como é da tradicional ‘chieira’ das mulheres vianenses, vai levar ouro antigo, algum do tempo da bisavó que passou por todas as mulheres da família: “Posso dizer que duas das mulheres mais importantes da minha vida o usaram, e quando o uso ao peito sinto que de alguma forma estão comigo e que estou a continuar o legado dos meus antepassados. E isso dá-me muita força”.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Habituada a ver toda a família na Romaria d’Agonia, desde que soube que é a mordoma do cartaz oficial selecionado em 2022 confessa estar a viver “grande sonho”, que vinha a crescer nos últimos anos.

“Não apenas ser a mordoma do cartaz, mas ser a mordoma com o traje da minha terra e com o traje com a qual iniciei o meu gosto pelas tradições”, confessou. Além do concretizar de um sonho, admite o nervosismo com o “peso” a responsabilidade que tem este ano, de dar a cara ao cartaz que vai correr mundo, anunciando a festa, ou de estar em todos os momentos da Romaria, na rua e nos desfiles.

“A Romaria é o orgulho de ser quem somos, é a vontade de mostrar que temos ‘chieira’ em o ser”, concluiu.

PROGRAMA

Verde de esperança no regresso da festa às ruas

O designer Gráfico Renan Morgado vive em Monção, distrito de Viana do Castelo, nasceu no Brasil há 33 anos, mas considera-se um “minhoto”. Nos últimos cinco anos candidatou-se ao anual concurso público para escolha do cartaz oficial da Romaria d’Agonia, insistência que deu frutos, ao ser o escolhido em 2022.

“A inspiração foi dar a ideia de movimento e novos tempos com a chegada da Romaria de 2022. É hora de sair à rua e festejar este grande momento de Viana do Castelo. Além disso, há exatos 40 anos que não temos a foto de uma mordoma da cabeça aos pés a estampar um Cartaz da Romaria. Além disso, eu queria que o verde estivesse presente para falarmos de esperança. Esperança num presente melhor, esperança de que tudo vai melhorar, esperança que a Romaria de 2022 seja o regresso da nossa vida normal”, explicou o autor.

Para Renan, depois de dois anos de uma vida “muito fechada”, devido à pandemia, “sem afetos, sem festas, sem alegria”, o cartaz da Romaria “só podia transmitir alegria”, daí a sua escolha, num processo que teve tanto de difícil como de “meticuloso”, na escolha da dança da mordoma.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Eu queria o momento correto da dança. Eu tive que procurar aquele movimento, em que pudesse valorizar muitos conceitos ao mesmo tempo. Ou seja, o traje, a felicidade e a dança, sem nunca esquecer que a escolha da Maria João para completar esta conceção foi muito importante”, acrescentou.

Confessa que “para um brasileiro” até “poderia não ter nenhum” interesse de maior participar neste concurso, mas garante que não é o seu caso: “As minhas raízes estão no Alto-Minho, e sempre fui habituado às romarias do nosso Minho. Eu conheci muito de perto a Romaria d’Agonia, tive a oportunidade de participar em muitos momentos”.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO 

Seguindo a ligação da avó ao Alto-Minho, o gosto por este “nosso cantinho, tão tradicional e tão cheio de surpresas e coisas boas” foi determinante em querer concorrer ao concurso do cartaz oficial da Romaria em que só a vitória final foi um “choque”.

“Fiquei completamente em choque. Apesar de torcer pelo cartaz, saber que tinha sido vencedor foi um momento completamente inesperado”, confessou Renan, manifestando um desejo sobre a apreciação de quem vai a partir de agora ver o cartaz da festa de 2022.

“Que sinta liberdade, vontade de retomar bons momentos. É hora de andar para frente e nada melhor do que com movimentos de dança. Mas acima de tudo, é importante que cada pessoa possa olhar e sentir-se representado de alguma forma pela simplicidade e pela esperança em que todos podemos ser melhores a cada momento”, concluiu.

EM FOCO

Populares