Agricultores lamentam atraso na publicação do alívio de restrições

No Algarve
Foto: DR

Os agricultores algarvios lamentaram hoje o “atraso não expectável” da publicação em Diário da República do alívio, de 25% para 13%, das restrições ao consumo de água para a agricultura na região, aprovado na passada semana.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de Beneficiários do Plano de Rega do Sotavento Algarvio, Macário Correia, considerou que se trata de “um atraso que não era expectável” de um assunto que “é urgente” resolver.

“Cada dia que passa é menos um dia que temos para tomar decisões e organizar a nossa vida e é perfeitamente razoável que a decisão seja tomada”, disse o também ex-presidente das câmaras de Faro e Tavira.

O alívio das restrições impostas ao consumo de água no Algarve foi aprovado em Conselho de Ministros na semana passada, mas os agricultores continuam a aguardar a publicação em Diário da República das modalidades e dimensão dessa diminuição.

Depois de ter revogado a resolução do anterior Governo, o novo executivo atualizou em 22 de maio as restrições impostas ao consumo de água no Algarve, que passam de 25% para 13% na agricultura e de 15% para 10% no setor urbano.

“A reunião foi há quase um mês, foram anunciadas […] as medidas, depois há o Conselho de Ministros [na passada sexta-feira] que tratou disso”, mas “até hoje não temos nenhuma medida oficialmente comunicada”, lamentou.

Também em declarações à Lusa, o presidente da Associação de Regantes e Beneficiários de Silves, Lagoa e Portimão, João Garcia, sublinhou que os regantes do Barlavento algarvio aguardam igualmente pela publicação do alívio das restrições ao consumo de água para a agricultura do Algarve já anunciadas pelo Governo.

Este dirigente agrícola afirmou ainda esperar que o transvase de água da barragem do Funcho para a do Arade, em Silves, iniciado na terça-feira pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), “cumpra as pretensões dos regantes”.

“Pedimos um volume de cinco hectómetros cúbicos de água e há algum tempo que estávamos desesperados, porque a barragem do Arade está em níveis mínimos”, especificou aquele responsável.

Segundo João Garcia, “a APA começou a fazer o transvase na terça-feira, aguardando-se que seja efetuado o volume considerado o necessário para o regadio”.

“Ainda não sabemos o volume que vamos ter disponível na barragem do Arade para a rega, mas acreditamos que seja os cinco hectómetros cúbicos que pedimos”, apontou.

De acordo com o presidente dos regantes de Silves, com o transvase “o problema fica resolvido por agora”, e, assim, os agricultores sabem “quais os volumes de água que vão estar disponíveis para as regas”.

O Governo de António Costa decretou em 05 de fevereiro a situação de alerta na região devido à seca, mas, no final de maio, o atual primeiro-ministro, Luís Montenegro, anunciou o alívio das restrições impostas à agricultura e ao setor urbano, que inclui o turismo.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Peça romana com 1.800 anos encontrada em Vila Verde já pode ser vista em museu de Braga

Próximo Artigo

Após mais de 4.765km a caminhar, aventureiro de Guimarães foi à missa ao Vaticano

Artigos Relacionados
x