Seguir o O MINHO

País

Agência de ‘rating’ espera que “2021 seja um ano fraco para os bancos portugueses”

Covid-19

em

Foto: O MINHO / Arquivo

A agência de ‘rating’ Fitch crê que 2021 será “um ano fraco para os bancos portugueses” devido à necessidade de provisionamento, disse hoje numa conferência ‘online’ o analista Rafael Quina.

“Esperamos que 2021 seja um ano fraco para os bancos portugueses, e o perfil financeiro de alguns agentes será ainda mais fraco ou mais afetado que em 2020”, disse o analista Rafael Quina numa conferência organizada pela Fitch acerca de Portugal e da Grécia.

O analista referiu que em termos de rentabilidade, “2020 já foi um ano fraco”, com a receita dos bancos a erodir “devido às baixas taxas de juro e concorrência feroz”.

Para 2021, os lucros operacionais deverão “baixar ainda mais”, com os bancos mais fracos a poderem “registar prejuízos” durante o ano.

“Isto acontece porque nós não esperamos uma recuperação impressionante nas receitas”, disse o analista da Fitch, elencando que as provisões “deverão permanecer gradualmente em 2021, à medida que os bancos gradualmente saem das moratórias”.

Em termos de qualidade dos ativos, a Fitch afirma que “as coisas melhoraram bastante desde 2016 e 2020 ainda mostrou algum progresso modesto”, mas em 2021 poderá haver “muitas avaliações negativas devido à proporção de empréstimos em moratória”.

As moratórias “chegaram a um nível incrível de mais de 45 mil milhões [de euros] em setembro, o que representa cerca de 24% da carteira de crédito à mesma data”, assinalou o analista da agência de notação financeira, com 20% em habitação e 30% para empresas, “o que é extremamente alto”.

Em 2021, “a qualidade dos ativos será o mais importante, em particular tendo em conta a última parte das moratórias, sobre a qual há tanta incerteza”, defendeu.

“Será mesmo crucial encontrar um caminho de saída credível para os tomadores de crédito, para os bancos e para a economia”, salientou.

Rafael Quina disse ainda que grandes vendas de crédito malparado poderão ter um efeito positivo para os bancos e reduzir o impacto da crise.

Apesar de a banca portuguesa estar “mais resiliente” agora que no início da anterior crise, “as ‘almofadas’ de capital estão mesmo vulneráveis no caso de uma descida prolongada [da economia], cuja probabilidade aumentou com o novo confinamento imposto ao país”.

Em 2020, a capitalização do sistema bancário “correu relativamente bem, exceto para o Banco Montepio e para o Novo Banco”, assinalou o analista, realçando o “ponto de partida mais forte” do BPI, BCP e Santander Totta.

O analista indicou também que os bancos portugueses estavam atrás dos italianos e espanhóis à entrada da crise, e com piores perspetivas por parte da Fitch na Europa desenvolvida.

Populares