Seguir o O MINHO

Futebol

Adiamento de Europeu de futebol abriu janela para concluir época em Portugal

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) considerou, esta terça-feira, que o adiamento do campeonato da Europa abriu uma janela para a conclusão das competições nacionais, afetadas pela epidemia de Covid-19.


A UEFA decidiu, esta terça-feira, adiar para 2021 o Europeu de futebol, com as competições de clubes nacionais e europeias a poderem terminar até 30 de junho, decisões que “são as contingências do momento dramático” que se vive, de acordo com Proença.

“A decisão desta terça-feira, revela bem o sentimento generalizado que se apoderou no futebol, um sentimento de bom senso. Era obrigatório dar espaço e calendário às competições nacionais, para que pudessem terminar de forma tranquila e para que a próxima temporada pudesse iniciar com a normalidade restabelecida, sabendo quem é o campeão, quem equipas são relegadas, quais vão às competições europeias. Direi que hoje imperou o bom senso”, referiu Proença, em declarações à SportTV+.

De acordo com o dirigente, “abriu-se uma janela temporal que era fundamental para as competições nacionais” e “ganhou-se cerca de mais um mês e meio” para terminar os campeonatos, reforçando, contudo, que não se saberá como vai evoluir a curva exponencial de propagação da Covid-19.

“[Com este adiamento] Podemos completar os ciclos, no nosso caso, de 34 jornadas, podendo, pela meritocracia, apurar quem são os campeões, aqueles que vão às competições internacionais, aqueles que terão de ser relegados”, disse.

Pedro Proença lembrou o momento “histórico” do adiamento das competições nacionais, graças a “um sentimento de responsabilidade global” e a “uma atitude responsável, solidária, na qual todos os intervenientes estiveram juntos”.

Para o responsável da LPFP, “neste momento, equacionar qualquer tipo de cenário será prematuro” e preferiu, por isso, não adiantar uma data para o regresso da competição, mas reforçou que “este drama vai exigir de todos os parceiros um envolvimento transversal”.

“Todo o futebol quer retomar o mais rapidamente possível para que se possa terminar com normalidade as competições. Agora é prematuro adiantar uma data”, afirmou, embora garanta que “os profissionais na LPFP estão a trabalhar 24 horas” para analisar todos os cenários.

Pedro Proença lembrou que já foram lançadas algumas medidas para colmatar prejuízos no futebol profissional, garantindo que após a pandemia de Covid-19 o futebol vai voltar “mais forte, mais maduro”.

O coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 infetou mais de 180 mil pessoas, das quais mais de 7.000 morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 145 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Depois da China, que regista a maioria dos casos, a Europa tornou-se o epicentro da pandemia, com mais 67 mil infetados e pelo menos 2.684 mortos, o que levou vários países a adotarem medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal há 448 pessoas infetadas, segundo o mais recente boletim diário da Direção-Geral da Saúde, mais 117 do que na segunda-feira, dia em que se registou a primeira morte no país.

Anúncio

Futebol

João Pedro Sousa admite Famalicão “com a ambição no máximo” para jogo com Benfica

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O treinador do Famalicão assumiu hoje que a equipa está a olhar para o jogo com o Benfica, na quinta-feira, a contar para a 31.ª jornada da I Liga de futebol, “com a ambição no máximo”.

João Pedro Sousa não pensa noutro cenário que não seja dar tudo pela vitória, apesar de reconhecer que do outro lado vai encontrar “uma equipa forte”, que também vai fazer de tudo para levar os três pontos.

“Contamos com um Benfica forte. Estamos a falar de um clube que recusa qualquer resultado que não seja a vitória, seja em que campo for e em que competição for. Agora, o Famalicão também recusa qualquer coisa que não seja lutar pela vitória. Sabemos que vamos encontrar uma equipa forte, independentemente do que se passou no passado recente. Estamos preparados para uma equipa que vai tentar a vitória, mas nós com o nosso jogo estamos preparados para lutar pela vitória e conquistar os três pontos”, referiu.

O técnico disse ainda que o Famalicão vai manter-se igual a si mesmo independentemente do adversário que encontrar pela frente: “Não vamos encontrar um Famalicão diferente do que tem sido. A forma de jogar vai ser a mesma. Sabemos que temos um adversário que vai tentar anular o que tentamos fazer em todos os jogos. É uma equipa que sabemos que nos conhece bem, e o Famalicão conhece perfeitamente o Benfica. Será competitivo, aberto, duas equipas que querem ganhar, mas o Famalicão será igual a si próprio.”

O Famalicão, quinto classificado, com 48 pontos, recebe, às 21:30 de quinta-feira, o Benfica, segundo, com 67, numa partida da 31.ª jornada da I Liga de futebol.

Continuar a ler

Futebol

Guardiola quer jogar com Real Madrid em Manchester

Liga dos Campeões

em

Pep Guardiola. Foto: Divulgação / Manchester City

O treinador do Manchester City, Pep Guardiola, afirmou hoje que pretende jogar a partida da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões em futebol com o Real Madrid no seu estádio, em Inglaterra.

“Queremos jogar em Manchester”, disse o treinador espanhol, que deixou claro que vai aceitar qualquer que seja a decisão da UEFA sobre a competição.

Com a paragem da competição, ficaram por decidir quatro embates da segunda mão dos oitavos de final da ‘Champions’: Manchester City-Real Madrid (2-1, na primeira mão), Juventus-Lyon (0-1), Bayern de Munique-Chelsea (3-0) e FC Barcelona-Nápoles (1-1).

Caso estas quatro partidas, agendadas para 07 e 08 de agosto, não se possam realizar nos países para os quais estavam inicialmente marcadas, devido à pandemia de covid-19, serão disputadas em Portugal.

Afinal, Guimarães não deverá receber ‘oitavos’ da ‘Champions’

Em 17 de junho, a UEFA anunciou que a Liga dos Campeões, suspensa em março devido à pandemia de covid-19, seria definida através de uma inédita ‘final a oito’ a realizar em campos neutros, em Lisboa, nos estádios da Luz (Benfica) e José Alvalade (Sporting), entre 12 e 23 de agosto.

Os jogos dos quartos de final terão lugar entre 12 e 15 de agosto, enquanto as meias-finais realizar-se-ão em 18 e 19, e a final em 23.

As eliminatórias da ‘final a oito’ serão decididas em apenas uma partida, ao contrário das habituais duas mãos, sendo que, até ao momento, já se apuraram para os ‘quartos’ Atalanta, Leipzig, Atlético de Madrid – que eliminou o campeão europeu em título, Liverpool – e Paris Saint-Germain.

Continuar a ler

Futebol

Clubes europeus podem perder quatro mil milhões de euros em receitas

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os clubes europeus podem vir a perder quatro mil milhões de euros em duas temporadas, devido ao impacto da pandemia de covid-19, revela hoje um estudo a Associação Europeia de Clubes (ECA).

Num estudo que analisa uma amostra de 10 campeonatos entre 55, entre os quais o português e os ‘big-5’ (Alemanha, Inglaterra, Itália, França e Espanha), a ECA prevê que, apesar de sete destes terem recomeçado, em 2019/20 as perdas sejam de 1,6 mil milhões de euros.

Na próxima temporada, mesmo que esta seja jogada na sua totalidade, as perdas poderão atingir os 2,4 mil milhões de euros, num estudo que não tem em conta o mercado de transferências.

“Estes resultados mostram que o impacto financeiro da covid-19 nos clubes europeus é um choque sísmico”, disse o diretor executivo da ECA, Charlie Marshall.

Com os jogos à porta fechada, a ECA prevê que esta temporada os clubes percam 400 milhões de euros em bilheteira, um valor que deverá chegar aos 1,1 mil milhões em 2020/21.

“O impacto financeiro não para quando o jogo recomeçou. Vai continuar na próxima temporada e temos de tomar medidas para criar uma indústria do futebol mais sustentável para o futuro”, refere Marshall.

Normalmente, os clubes gastam 60% dos seus rendimentos em salários, um valor que pode atingir os 76% nas ligas fora das ‘big-5’ na próxima temporada.

Para Marshall, o próximo mercado de transferência vai dar uma ideia “do estado da saúde do futebol”.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, suspensas, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América – ou mesmo canceladas.

Na Europa, alguns campeonatos foram cancelados, como o francês e o holandês, mas Espanha, Itália, Alemanha, Inglaterra e Portugal, entre outros, retomaram a competição.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 535 mil mortos e infetou mais de 11,52 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler

Populares