Seguir o O MINHO

Alto Minho

Adega de Monção sobe salário mínimo dos trabalhadores para 700 euros

Cerca de 30 funcionários

em

Foto: Divulgação / Adega de Monção

A adega cooperativa de Monção, vai aumentar o salário mínimo pago aos cerca de 30 trabalhadores para 700 euros em 2020, “10% acima do valor anunciado pelo Governo”, foi. esta terça-feira, divulgado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a adega de Monção, com 1.600 cooperantes e uma área vinícola 1.151 hectares, adiantou que aquele valor “representa um aumento de cerca de 7,7% em relação a 2019, ano em que a adega já tinha fixado o salário mínimo em 650 euros”.

A medida, hoje anunciada, “tem efeitos retroativos a 01 janeiro de 2020”.

“O aumento do salário mínimo além do valor fixado pelo Governo integra um conjunto de benefícios que a Adega de Monção tem vindo a implementar, no sentido de contribuir para a satisfação global dos nossos colaboradores, bem como de recompensar os mesmos pelo excelente desempenho e dedicação”, afirmou o presidente da direção, Armando Fontainhas, citado naquela nota.

A adega de Monção, concelho que juntamente com Melgaço forma uma sub-região demarcada dos Vinhos Verdes, e onde a casta Alvarinho é melhor representada, foi fundada a 11 de outubro de 1958, por iniciativa de 25 viticultores e produz, entre outros vinhos, as marcas “Alvarinho Deu La Deu”, “Muralhas” ou “Adega de Monção”.

Segundo dados da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), a sub-região de Monção e Melgaço tem uma área total de 45 mil hectares, 1.730 dos quais cultivados com vinha, sendo que a casta Alvarinho ocupa cerca de 1.340 hectares.

A sub-região tem no mercado 253 marcas de verde, produzidas por 2.085 viticultores e 67 engarrafadores.

Por ano, os dois concelhos produzem 10,2 milhões de litros de vinho verde (74% branco, 10% tinto e 3% rosé).

Desde 2015, a produção de Alvarinho foi alargada a outras zonas do país, fora dos dois concelhos do Alto Minho, em resultado de acordo alcançado pelo Grupo de Trabalho do Alvarinho (GTA), constituído pelo anterior Governo PSD/CDS e liderado pela CVRVV, defensora do alargamento da produção daquele vinho aos 47 municípios que a integram.

O acordo foi aceite pelo município de Monção. Já os produtores de Melgaço, acionistas da empresa “Quintas de Melgaço”, cuja maioria do capital é detido pela autarquia, contestam o acordo, considerando que “prejudica” a sub-região.

Anúncio

Alto Minho

Todas as casas de Merufe, em Monção, acordaram com gel desinfetante e luvas à porta

Covid-19

em

Foto: Divulgação / JF Merufe

Os cerca de 1.024 habitantes da freguesia de Merufe, no concelho de Monção, acordaram na passada sexta-feira com um saco à porta, contendo gel desinfetante, luvas, um saco reutilizável para compras e um panfleto informativo sobre o novo coronavírus.

A ação foi levada a cabo pela junta de freguesia, de forma a prevenir a propagação da covid-19, depois de se ter registado o primeiro caso positivo naquela freguesia.

A autarquia liderada por Márcio Alves resolveu entregar estas ofertas de forma a proteger a população local, num concelho que regista hoje 7 casos confirmados da nova doença infeciosa, segundo dados publicados este domingo pela DGS.

Continuar a ler

Alto Minho

Arcos de Valdevez com uma morte, dois curados, cinco internados e 16 a recuperar em casa

Covid-19

em

Foto: Divulgação

A delegada de saúde responsável por Arcos de Valdevez divulgou hoje o ponto de situação no concelho, avançando 24 casos confirmados por infeção do novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Segundo Zulmira Afonso, até ás 15 horas deste sábado, o concelho arcoense tinha cinco utentes internados com prognóstico mais complicado, um no Hospital de Santo António, no Porto, dois no Hospital de Braga e outros dois no Hospital de Viana.

De acordo com a mesma fonta, dois casos de internamento já tiveram alta hospitalar, estando recuperados.

Em isolamento domiciliário, com sintomas menores (ou até assintomáticos), estão 16 infetados.

Há registo de um óbito, de uma mulher que faleceu na passada terça-feira.

Continuar a ler

Alto Minho

Covid-19: Ponte de Lima disponibiliza mais 75 camas, 285 no total

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Ponte de Lima

Ponte de Lima irá dispor de mais 75 novas camas para apoiar as unidades de saúde durante a fase exponencial da pandemia covid-19, ficando no total com 285, foi ontem anunciado.

A estas novas somam-se as 160 camas já disponíveis, de acordo com o Plano Operacional Municipal para o Coronavírus (POMCov) e das 50 da Pousada da Juventude

Para além das camas de retaguarda, a autarquia tem disponibilizado “um conjunto de alojamentos destinados a grupos de reforço ou grupos adaptados para as mais variadas situações”.

As novas 75 camas instaladas no Pavilhão Municipal de Arca e Ponte de Lima funcionarão como “estruturas de apoio de retaguarda para apoiar as unidades de saúde do concelho, e criar espaços adequados para receber utentes ou outros que necessitem de ficar em quarentena”.

Deste conjunto de 75 camas, 25 foram doadas pela Dream Argument, Lda, empresa de fabricação de mobiliário de madeira para outros fins, constituída em 2014 e a laborar na freguesia de S. Pedro de Arcos, informa a autarquia.

Continuar a ler

Populares