Seguir o O MINHO

Ave

ACES do Alto Ave com seis unidades de saúde familiares acreditadas

em

O ACES do Alto Ave tem seis Unidades acreditadas e repartem-se pelos concelhos de Guimarães, Vizela e Fafe. Tratam-se das USF Ronfe e USF Ponte (Centro de Saúde das Taipas), USF Novos Rumos e USF Physis (Centro de Saúde de Vizela) e USF Arões e USF Sentinela (Centro de Saúde de Fafe).

Na qualidade de Presidente do Conselho de Comunidade do ACES do Alto Ave, Domingos Bragança explicou que o trabalho desenvolvido nas Unidades de Saúde Familiar resulta num “aumento da eficiência dos serviços nas Unidades de Saúde Familiares para uma melhor prestação dos cuidados de saúde à nossa comunidade”.

O Presidente da Câmara de Guimarães referiu ainda que “a saúde não é só a ausência da doença, também é bem-estar” e considera importante uma melhor divulgação do Plano Local de Saúde.

“A literacia em saúde contribui para um melhor conhecimento sobre a alimentação saudável, a prática de atividade física de acordo com a nossa condição e consumo de cultura para que possamos ter melhor condição física e mental, mais tranquilidade e menos depressão por termos melhor conhecimento de nós próprios, resultando numa maior confiança para vivermos o presente e construirmos o nosso futuro”, salientou Domingos Bragança.

O Diretor Executivo do ACES do Alto Ave, Carlos Guimarães, elogiou o empenho dos profissionais de saúde. “Atingimos em 2018 uma meta preconizada pelo Ministério da Saúde para 2024 que era 20% das USF estarem acreditadas”.

Essa meta foi alcançada já pelo ACES do Alto Ave. Carlos Guimarães destaca “um processo muito rigoroso, com a uniformização da informação e um conjunto de questões importantes que melhoram em muito o funcionamento das Unidades”.

Presente nesta sessão esteve ainda o Presidente da Câmara Municipal de Fafe, Raul Cunha, que sublinhou a importância de “reforma” nos centros de saúde, convicto na “melhoria nos cuidados de saúde primários” perante um modelo que tem sido reconhecido pelo seu sucesso.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Mulher colhida mortalmente por comboio em Famalicão era vítima de violência doméstica

Caso sinalizado pela PSP, segundo o jornal Semanário V

em

Foto: DR

A mulher colhida mortalmente por um comboio, esta quinta-feira, estava sinalizada como vítima de violência doméstica.

A informação foi avançada pelo jornal Semanário V, que acrescenta que, ao longo dos últimos tempos, a mulher, de 52 anos (e não na casa dos 20, como havia sido inicialmente veiculado) terá sido perseguida pelo ex-marido, sexagenário, sendo alvo de violência psicológica e agressões.

O casal residia na Trofa, até ao processo de divórcio, tendo a mulher mudado-se para Famalicão.

A PSP de Famalicão, refere ainda aquele jornal, tinha vários autos e registos de perseguições feitas pelo ex-marido, que continuou sempre em liberdade.

Segundo referia uma testemunha no local, na noite de quinta-feira, a morte terá acontecido, ao que tudo indica, por suicídio.

A mulher foi atropelada mortalmente por um comboio, cerca das 20:05, nas imediações do apeadeiro de Mouquim.

Continuar a ler

Guimarães

Westway Lab Festival transforma Guimarães na “cidade da música”

Sexta edição

em

Foto: DR

Guimarães vai assumir-se, de 10 a 13 de abril, como a “cidade da música”, com a sexta edição do Westway Lab Festival, que reunirá mais de duas centenas de profissionais nacionais e internacionais, foi hoje anunciado.

Em conferência de imprensa, o diretor artístico do festival, Rui Torrinha, disse que o certame contará com um total de 29 concertos e tem como objetivo “estender-se a toda a cidade”.

“Este é um festival da cidade e do território”, sublinhou.

Nesta sexta edição, acrescentou, o festival “atinge expressão planetária”, ao apresentar o Canadá como país convidado, ultrapassando assim, pela primeira vez, as fronteiras europeias.

Antes do festival propriamente dito, terão lugar, no Centro de Criação de Candoso, residências artísticas, que juntarão cinco músicos portugueses, um do Canadá, um de Itália e um da Áustria.

O resultado das residências será apresentado em 10 e 11 de abril, no Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

O concerto inaugural do festival está marcado para 10 de abril, também no CCVF, e estará a cargo do holandês Jacco Gardner.

O dia 12 será dedicado ao Canadá, sendo a representação deste país alimentada, sobretudo, pelo folk, com alguns cruzamentos com o pop.

Sarah Macdougall, Tribe Royal, Megan Nash, Les Deuxluxes e The East Pointers são os nomes do cartaz canadiano.

Segundo Rui Torrinha, este é um festival assente na dimensão 3P: Processo (residências artísticas), Pensamento (conferências) e Produto (Concertos).

“A grande força do festival é a diversidade. Aqui não há um estilo definido, aqui há música independente, criatividade, processo de criação”, referiu.

Vaticinou que o festival “vai crescer em escala”, mas vincou que o mais importante é que continue a crescer em qualidade.

Destacou ainda as portas internacionais que o festival tem aberto a jovens músicos portugueses.

Este ano, o festival, pela mão do gabinete de internacionalização da música portuguesa Why Portugal, vai receber três nomes que, segundo a organização, “mostram bem a diversidade da criação” nacional.

Em causa a pop construída entre guitarras e sintetizadores de Neev, o fado saído da guitarra de Marta Pereira da Costa e o “indie delico-doce” dos Vaarwell.

Além do CCVF, o festival terá ainda como palcos outros espaços da cidade, entre os quais um hotel e cafés.

Continuar a ler

Famalicão

Mulher colhida mortalmente por comboio em Famalicão

Em Mouquim

em

Foto: DR

Uma mulher foi hoje atropelada mortalmente por um comboio em Mouquim, Famalicão, sendo ainda desconhecidas as circunstâncias da ocorrência, disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga.

Segundo a fonte, o alerta foi dado pelas 20:05 e o atropelamento ocorreu nas imediações do apeadeiro de Mouquim.

Mulher colhida mortalmente por comboio em Famalicão era vítima de violência doméstica sinalizada

A circulação na Linha do Minho foi cortada nos dois sentidos.

Para o local foram mobilizados os Bombeiros Voluntários Famalicenses e uma Viatura médica de Emergência e Reanimação.

A GNR tomou conta da ocorrência.

 

Notícia atualizada: A fonte tinha adiantado, inicialmente, que a vítima se tratava de um homem.

Continuar a ler
Anúncio

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

EM FOCO

Populares