Seguir o O MINHO

Braga

Aberto concurso de 5,5 milhões para requalificar Mosteiro de Rendufe, em Amares

Património

em

Foto: DR

O concurso para concessão do Mosteiro de Santo André de Rendufe, em Amares, no âmbito do Programa Revive, foi hoje aberto, estando em 5,5 milhões de euros o investimento estimado para a recuperação e adaptação do imóvel à exploração turística.


Em declarações à Lusa, à margem da assinatura da abertura daquele procedimento assinado hoje em Amares, o presidente da Câmara Municipal, Manuel Moreira, explicou que o recurso ao “Revive” foi a “única forma encontrada para voltar a dar dignidade” ao monumento, classificado como de interesse público em 1943.

A concessão será por um período de 50 anos, desejando o autarca que se instale naquele lugar um hotel de cinco estrelas para “ajudar na dinamização da economia local e fazer de Amares uma referência no Turismo do Minho”.

“O Mosteiro de Santo André de Rendufe foi um dos principais centros beneditinos portugueses entre os séculos XII e XIV, remontando a sua construção a data anterior a 1090. O conjunto monástico encontra-se atualmente em ruínas, mantendo, contudo, a silhueta arquitetónica e o marcante aqueduto”, lê-se no documento de apresentação do local distribuído pelo Governo, atual detentor do espaço.

Segundo explica o texto, “isolado entre vinhas, o acesso faz-se através de um imponente terreiro enquadrado com a fachada barroca da Igreja e o conjunto monástico a sul, o dormitório que remonta a 1728 e o claustro, do qual subsistem as ruínas do primeiro nível com arcadas e capitéis toscanos”.

O concurso lançado hoje em Amares é ao 22.º lançado no âmbito do REVIVE e os investidores interessados têm o prazo de 120 dias para apresentação de propostas que, refere o documento, “além de darem uma nova vida a este imóvel histórico, contribuam para a atração de turistas para a região e para a dinamização da economia local”.

Este é um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do REVIVE, um programa da iniciativa conjunta dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças que conta com a colaboração das autarquias locais. Pretende-se valorizar e recuperar o património devoluto, reforçar a atratividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país.

Em 2019 foi lançada a segunda edição do REVIVE, com a integração de 16 novos imóveis, totalizando agora 49 imóveis, dos quais 21 se localizam em territórios do interior.

Até ao momento, foi adjudicada a concessão de 16 imóveis no âmbito deste Programa, que representam cerca de 135,5 milhões de euros de investimento na recuperação de imóveis públicos e rendas anuais na ordem dos 4,4 milhões de euros.

Anúncio

Braga

Aparatoso acidente no túnel da Estação de Braga fez um ferido

Acidente

em

Foto: Facebook de Bombeiros Voluntários de Braga

Um homem sofreu ferimentos na sequência de um despiste no túnel da Estação de Comboios, às ‘portas’ da cidade de Braga, na madrugada deste domingo.

Segundo apurou O MINHO, o condutor terá entrado em despiste, embatendo contra as proteções laterais do túnel, pouco passava das 00:00 horas.

Foto: Facebook de Bombeiros Voluntários de Braga

Foto: Facebook de Bombeiros Voluntários de Braga

Para o local foram acionados os Bombeiros Voluntários de Braga com uma ambulância e uma equipa de desencarceramento.

Apesar do aparato, o condutor acabou por conseguir sair pelos próprios meios.

Foi transportado para o Hospital de Braga com ferimentos ligeiros.

A PSP registou a ocorrência que condicionou o trânsito naquela via.

Continuar a ler

Braga

Mia Couto, vencedor do Prémio Camões, encontrou paz para a escrita no Gerês

Turismo

em

Foto: Cedida a O MINHO

O reconhecido escritor moçambicano Mia Couto, vencedor do Prémio Camões em 2013, esteve nos últimos dias na região do Gerês, onde aproveitou para adiantar a escrita de uma das suas obras em previsão.

O também vencedor do Neustadt International Prize for Literature (versão americana do Prémio Nobel) em 2017 pernoitou durante as últimas três noites no alojamento local Oak Nature, em Venstosa, concelho de Vieira do Minho.

O MINHO falou com Guilherme Silva, proprietário daquela unidade turística, que nos deu conta de que esta foi a segunda vez que o reputado autor visitou a região do Parque Nacional Peneda-Gerês.

“Ele gostou muito, diz que vai passar a vir todos os anos e até no inverno”, disse o proprietário, destacando a sensação de “paz” que o escritor encontrou.

Oak Nature tem paisagem sobre o rio Cávado. Foto: DR

“A esposa e outros familiares foram dar algumas voltas mas ele ficou por cá a maior parte do tempo, a escrever”, contou Guilherme.

Mia Couto não conhecia o alojamento. Decidiu passar uns tempos no Gerês e pesquisou na internet. Viu aquele alojamento local, inserido numa extensa área de carvalhal, e decidiu que seria ali onde passaria algum tempo em retiro.

O MINHO sabe que o escritor e a família aproveitaram outros locais da região, como as pontes de Rio Caldo, já no concelho de Terras de Bouro, onde puderam almoçar no restaurante Cávado.

Depois de três dias em comunhão com a natureza, o famoso escritor deixou esta manhã a zona do Gerês.

Sem estrangeiros mas com muitos famosos

Guilherme Silva conta que este ano “foi uma loucura” nas reservas, mas destaca que, se nos outros anos eram os estrangeiros a procurar os recantos da região, este ano foram “quase todos portugueses”, muitos deles famosos.
A atriz Rita Pereira, por exemplo, foi uma das figuras mediáticas que escolheu aquele hotel para pernoitar durante a visita ao único parque nacional em Portugal.
Também o futebolista Luís Boa Morte, o treinador Carlos Carvalhal, a cantora Mónica Sintra, o ator e apresentador João Montez ou a atriz Inês Gutiérrez foram outras das caras famosas que, este verão, se instalaram no complexo de Guilherme Silva.

Este verão têm sido muitos os famosos que escolheram o Minho como destino de férias, entre os quais Cristina Ferreira, Rita Pereira, Sara Sampaio, Maria João Abreu, José Raposo ou Nilton.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga pagou um milhão aos trabalhadores por causa das 40 horas

Função pública

em

Foto: Divulgação / CM Braga (Arquivo)

A Câmara de Braga já pagou, neste mês de setembro, a primeira fatia (um milhão de euros) do acordo feito com os trabalhadores do município, na sequência da sentença do Tribunal Administrativo do Norte que revogou o despacho municipal de 2014, que os obrigou a trabalhar 40 horas semanais, mais cinco do que as 35 que então vigoravam.

O Município pagará, ainda, mais dois milhões, nos próximos dois anos, no quadro de um acordo conseguido com o STAL- Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local.

O assunto foi debatido na última Assembleia Municipal, já que a CDU apresentou uma moção na qual pedia a extensão do pagamento da diferença aos trabalhadores sem vínculo ‘à Câmara, ou seja, aos que têm contrato assinado diretamente com a AGERE e com outras empresas municipais, que são de direito privado.

A coligação PCP/PEV sustenta que não faz qualquer sentido esta diferenciação e diz que, “do ponto de vista factual os trabalhadores são funcionários do município, pelo que será da mais elementar justiça social que sejam contemplados com o pagamento das horas que trabalharam a mais”.

Pedro Casinhas, deputado municipal da CDU. Foto: DR

A moção acabou por não ser votada já que as diferentes forças partidárias aceitaram que baixasse às comissões especializadas para análise das suas implicações, financeiras e jurídicas.

A este propósito, o presidente da Autarquia Ricardo Rio esclareceu que a sentença do Tribunal abrangia apenas os trabalhadores inscritos no STAL, mas entendeu-se que seria de alargar o pagamento a todos os que têm contrato com a Câmara.

Salientou que, do ponto de vista legal, a edilidade não pode assumir o pagamento de algo que lhe não compete, salientando que a única forma desses funcionários receberem, de igual modo, seria a dos sindicatos recorrerem, com novas ações, ao mesmo Tribunal, pedindo que as empresas municipais paguem as cinco horas de diferença.

Continuar a ler

Populares