Seguir o O MINHO

Braga

41 empresas despejadas de incubadora em Vila Verde para libertar negócio com a Câmara

Prédio tem de ser comprado pela Câmara sem ónus ou encargos

em

As 41 empresas que estão no edifício do antigo Centro de Incubação do IEMinho- Instituto Empresarial do Minho, em Soutelo, Vila Verde, estão a ser intimadas pelo administrador de insolvência, Nuno Albuquerque, a abandonar o espaço dentro de um mês, o prazo mínimo legal para a revogação dos contratos.

Ao que O MINHO soube, a exigência de saída prende-se com a realização da escritura de venda do imóvel ao Município, por 85 mil euros, que chegou a estar agendada para a passada sexta-feira, no Notário Dr. Joaquim Seco de Faria Carneiro, mas que foi adiada para 18 de junho, dado que a Câmara só o adquire se estiver livre de ónus e encargos.

No total, trabalham 102 pessoas nas 41 firmas em incubação.

A este propósito, o presidente da Câmara, António Vilela, adiantou que a autarquia compra o prédio e terrenos envolventes e não o IEMinho, até porque este foi à falência.

Acrescentou que o próprio Tribunal de Contas exige que a aquisição seja feita sem que haja quaisquer encargos para o Município, ou seja autorizou a compra apenas do edifício.

Adianta que, após a escritura, que agora será marcada para finais de junho, o executivo camarário nomeará uma equipa de gestão, a qual irá elaborar os respetivos regulamentos de funcionamento e decidir o futuro a dar à infraestrutura.

“A futura função do edifício ainda não está definida. Pode ser para albergar uma instituição do ensino superior ou para voltar a ser uma incubadora, com o regresso das empresas que o quiserem”, explicou.

Empresas de vários ramos

Em incubação, estão, entre outras, empresas de: fabricação de moldes, centro de apoio à vida independente, sistemas informáticos, produção de eventos, comercialização de vinhos, desmonte de rocha com explosivos, engenharia e gestão do ambiente, energias renováveis, tratamento de informação geográfica, arquitetura, consultoria em floresta, software para a saúde, e software para a agricultura.

Populares