Seguir o O MINHO

Alto Minho

291 sinos vão tocar às 12:00 horas do domingo de Páscoa em Viana do Castelo

Religião

em

Foto: DR / Arquivo

O bispo de Viana do Castelo pediu, hoje, aos padres das 291 paróquias do Alto Minho que no domingo, às 12:00, “os sinos toquem festivamente” para celebrar a Páscoa, este ano, afetada pela pandemia de covid-19.

“No atual contexto, a Páscoa será vivida de modo diverso, mas não menos intenso. Como forma de celebração da Ressurreição de Cristo e manifestação de comunhão da Igreja Diocesana, peço que, no próximo domingo, às 12:00, em todas as igrejas da Diocese, especialmente nas igrejas paroquiais, os sinos toquem festivamente”, refere a mensagem que Anacleto Oliveira enviou hoje aos sacerdotes e a que a Lusa teve acesso.

A diocese de Viana do Castelo, fundada através de uma bula do beato Paulo VI, publicada a 03 de novembro de 1977, abrange os 10 concelhos do Alto Minho.

A diocese mais jovem do país integra 291 paróquias espalhadas pelos 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo e tem cerca de 120 sacerdotes.

Nas celebrações de Domingo de Ramos, o bispo de Viana do Castelo alertou, durante a missa celebrada na sé catedral e transmitida nas páginas oficiais da diocese no Facebook, as pessoas “que não respeitam as normas que obrigam a estar isolados em casa”, e pediu que “as cumpram escrupulosamente, evitando o contacto social, pois, se não o fizerem, estão a destruir vidas”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 89 mil.Dos casos de infeção, mais de 312 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Populares